Fish

Ola´! Que bom que passou por aqui, seja bem vindo! ! Espero que goste e volte sempre!!!!

"O Segredo da vitória, em todos os setores da vida, permanece na arte de aprender,imaginar,esperar e fazer mais um pouco."
( Chico Xavier - ditado por André Luiz )

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

CABELOS BRANCOS


Manter os cabelos saudáveis e bonitos depende de muitos cuidados. Corte, hidratação, luzes, escova e caprichos sem fim. Mas quando os primeiros fios brancos aparecem, a impressão é de que nada é capaz de resolver o problema. Multiplicando-se na velocidade da luz, eles surgem quando você menos espera, e nos lugares que você menos gostaria.

Certamente você já escutou por aí que o estresse pode antecipar a chegada dos fios brancos. Mas, por mais malefícios que este mal da vida moderna possa provocar, esteja ciente de que, desta acusação, ele está livre. "Ao contrário do que se pensa, o estresse não desencadeia o processo, mas faz com que os cabelos caiam mais depressa. O cabelo branco aparece porque ocorre um fenômeno anatômico chamado apoptose, que é a morte da célula que produz a melanina - pigmento que dá a cor aos pêlos e a pele. A morte desta célula, o melanócito, é programada. Portanto, a hora em que esta apoptose começa é determinada geneticamente", esclarece o dermatologista Valcinir Bedin, Presidente da Sociedade Brasileira para Estudos do Cabelo.

Se sua mãe tem cabelos brancos desde pequena, prepare-se para a sina. A genética, nesses casos, é praticamente uma imposição, não deixando escapatória. "Há famílias em que jovens, antes dos 18 anos, já têm cabelos brancos. Mas do ponto de vista racial, nos brancos, se manifestam entre os 35 e 45, nos amarelos, entre os 45 e 55, e nos negros, a partir dos 55 anos", informa Dr. Bedin, acrescentando que, além da questão genética, em algumas ocasiões, o culpado pode ser uma falha nutricional. "É raro, mas a baixa ingestão de cobre pode acelerar o processo, levando a um embranquecimento precoce dos cabelos", explica. Para evitar o problema, basta garantir a ingestão do mineral – tarefa nada difícil. "O chocolate meio amargo e os frutos do mar são ricos no nutriente", indica o dermatologista. A única regra é aproveitar!

Apesar de não ter ligação com o embranquecimento, o estresse pode acabar, indiretamente, desencadeando o processo. A terapeuta capilar Sheila Bellotti explica: "Alguns traumas, que geram uma queda capilar, como o eflúvio telógeno, o vitiligo capilar, ou a alopecia areata, podem fazer com que os próximos fios nasçam sem pigmentação", cita Sheila Bellotti.

Histórias de cabelos

Cabelos pretos não costumam ficar, de uma hora para outra, brancos. Como os fios crescem por anos com pigmentos dentro deles, a menos que morram, não há processo natural que possa destruir a melanina rapidamente.

Apesar desta certeza, uma história ficou famosa entre dermatologistas e especialistas de cabelo. Diz a lenda que Maria Antonieta, rainha francesa condenada à guilhotina, quando soube de sua sentença, ficou com os cabelos brancos em questão de horas. O que se acreditava ter sido um embranquecimento total dos fios, nada mais foi do que uma queda abrupta dos fios pretos – antigos e fracos -, e a permanência dos brancos - recentes e, por isso, mais resistentes.

Por dentro do fio

Antes de sair arrancando, achando que basta puxar para acabar com o inconveniente, pense duas vezes. O fio branco não é um fio doente, ruim, nem menos liso ou macio que os outros. "Apenas os grânulos e pigmentos - que antes davam cor aos cabelos - são substituídos por bolhas de ar. Isso faz com que fiquem mais grossos. Mas não se preocupe, depois de um tempo, eles voltam a ficar com a espessura normal. O que não adianta é arrancar, pois ele nasce de novo da mesma cor. Agora, dizer que, para cada um que se arranca, nascem sete no lugar é besteira!", desmitifica Dr. Bedin.

O que define a cor dos cabelos é a quantidade e o tipo de melanina contida nos fios. "A melanina é encontrada sob diversas formas. Cabelos pretos e castanhos contêm eumelanina, um pigmento escuro. Ruivos e louros têm um pigmento brilhante chamado feomelanina. Mas é possível, e comum até, ter a mistura desses dois pigmentos. Já os cabelos grisalhos contêm uma pequena porção de melanina, enquanto que cabelos brancos, nenhuma", diferencia a terapeuta capilar Sheila Bellotti.

Pintar ou não pintar, eis a questão

Para quem odeia a aparência dos fios brancos, pintar continua sendo a única saída. Pelo menos por enquanto, mas a indústria científica promete surpresas em breve. "A Anti-cancer Inc é uma empresa americana que vem trabalhando no desenvolvimento de um gel que promete devolver a cor aos cabelos. O produto, ainda não comercializado, recebeu o nome de gene juice (suco de gens), mas é apenas uma promessa", antecipa Valcinir Bedin. Até lá, a tintura é o único remédio.

No entanto, nem todas são adeptas da tintura, preferindo mostrar o que muita gente vive escondendo. Para as que vêem um pouco de charme nos cabelos brancos, o segredo é não descuidar da saúde dos fios. "Para evitar o amarelamento, comum na cor branca, existem xampus específicos. Diversas marcas, como a Keune, oferecem produtos especiais, capazes de manter o fio mais branco e brilhante", exemplifica o dermatologista Valcinir Bedin.

A Keune oferece o Silver Reflex Shampoo, que promete realçar a cor prata dos fios brancos, remover o amarelo dos grisalhos, e neutralizar o amarelo do descolorido. Pau pra toda obra, é à base de pantenol e proteína de trigo. Outra marca disponível no mercado é a Lush, com seu xampu Daddyo. À base de infusão de limão, óleo de coco e algas marinhas, o produto promete restaurar a cor, além de fortalecer e amaciar os fios.

Mas nada de ficar só nos xampus. Se cabelo já dá trabalho, os brancos exigem um pouco mais. A terapeuta capilar Sheila Bellotti sugere: "Quem assume os fios brancos tem grande preocupação em mantê-los bonitos. Além dos xampus específicos para o tipo de cabelo, oriento minhas pacientes a praticarem a ginástica capilar para irrigação contínua, aumentando a nutrição celular. Outra técnica com bons resultados é a laserterapia, que garante a oxigenação das células". Com tantas opções, só aparenta mais idade quem quiser!

Fonte: www.bolsademulher.com

Para muitos pais, crianças desobedientes são a causa mais óbvia para os cabelos brancos. Para os cientistas, a situação é mais complexa. Para D.J. Tobin, o cientista chefe do Instituto de Dermatologia da Universidade de Bradford na Inglaterra, a principal causa, tirando fora os problemas do dia a dia, é uma associação de envelhecimento e genética.

A melanina, um pigmento produzido por células especializadas em cada folículo capilar é a responsável por dar côr ao cabelo. Distintos tipos de melanina são responsáveis por diferentes tons de coloração dos cabelos.

A eumelanina dá a coloração castanha e preta aos cabelos, enquanto a feomelanina é responsável pelos cabelos loiros e ruivos. O tipo de melanina que um individuo tem é controlado por células pigmentares, que por sua vez são determinadas pelos genes. Com o processo de envelhecimento, estas células pigmentares localizadas na base dos nossos foliculos capilares param de produzir melanina; sem ela os cabelos se tornam brancos.

O corpo humano não tem nenhuma fonte de melanina, como uma glândula, essa substância química é produzida em cada um dos foliculos capilares, portanto cada fio de cabelo torna-se branco individualmente.

Os pesquisadores ainda não definiram a causa definitiva do porque nossos foliculos capilares param de produzir a melanina. O Dr. Tobin analisou foliculos capilares brancos e encontrou melanócitos e melanossomos, porém sem melanina dentro.

Alguns autores tem sido sugerido que com o passar dos anos os radicais livres causem danos as células localizadas nos foliculos capilares. Os radicais livres, que são produzidos por diversos processos metabólicos no nosso organismo (incluindo a produção de melanina) podem causar danos ao DNA. O Dr. Tobin não concorda com este argumento, contra-argumentando que as células produtoras de melanina possuem métodos especializados de purgação e auto- limpeza dos radicais livres.

De acordo com o Dr. Tobin, não há nenhuma forte evidência que se possa fazer alguma coisa para retardar o aparecimento dos cabelos brancos. o processo leva em geral vários anos para se estabelecer, contudo uma doença extremamente rara chamada efluvio telógeno dá a aparência de tornar todos os cabelos em brancos da noite para o dia. A doença causa uma queda de todos os cabelos pigmentados, deixando apenas os cabelos brancos, alguns portadores famosos dessa patologia rara foram Sir Thomas Moore e Maria Antonieta.

As pesquisas mostram que possamos reverter o processo de branqueamento dos cabelos num futuro próximo. O grupo do Dr. Tobin já determinou que melanócitos e melanossomas "adormecidos" podem ser reativados para produzirem melanina novamente.

Agora só nos resta aguardar os próximos passos dos avanços científicos para ficarmos livres dos fios brancos.

Fonte: www.anestesiologia.com.br

Tingir o cabelo é uma opção que a maioria das mulheres tem feito muito antes dos primeiros fios brancos aparecerem. Só que este processo exige manutenção da raíz, mais cuidado com a hidratação do cabelo e gastos financeiros que podem ser semanais.

Seja por estarem cansadas de pintarem o cabelo, seja por opção mesmo, o fato é que aumentou o número de mulheres que têm assumido seus cabelos brancos, ganhando muito em charme, tempo nos cuidados e economia de dinheiro.

O hair style Carlos Marques do salão Jacques Janine Unidade Klabin (São Paulo) explica em uma entrevista exclusiva como cuidar dos fios prateados e se sentir linda e poderosa - além de estar na moda.

1) No filme "O Diabo veste Prada", a atriz Meryl Streep tem cabelos brancos e é chique e poderosa. É uma tendência?

Hoje as mulheres estão usando bastante e optando por cabelos brancos, não querem tingir porque dá muito trabalho sim. Percebo que as clientes estão assumindo os cabelos brancos. Eu acho que dependendo da cliente e de seu estilo fica chique e bonito deixar os brancos naturalmente.

2) Quem quer assumir os cabelos grisalhos deve usar produtos específicos em casa? Qual tipo?

Tem toda uma linha para cuidar de cabelos grisalhos e não deixar os cabelos amarelados ou esverdeados. Dentre os produtos que eu mais recomendo estão um shampoo de limpeza profunda e uma máscara específica para cuidados com cabelos grisalhos.

3) Muitas mulheres reclamam que os cabelos ficam quebradiços e ganham um tom mais amarelado nas pontas com tempo. Como amenizar estes efeitos?

De acordo com a cliente faço a mistura de hidratações que mantém o brilho e o tom branco do cabelo. Aqui no salão temos o aparelho chamado Micro Mist que potencializa a aplicação desses produtos, restabelecendo nutrientes e a saúde dos fios.

4) Qual tipo de corte combina mais com os cabelos brancos? Mulheres de cabelo comprido podem deixar os fios grisalhos?

Depende da cliente, aqui fazemos todo um estudo de visagismo e depende muito do biotipo e estilo da mulher. Quanto a deixar cabelos compridos, não há problemas, um bom corte acentua a beleza da mulher e de seus cabelos grisalhos mas depende muito de um estudo sobre estilo dela mesmo.

5) Quem tem alguns fios brancos tb pode deixar que as madeixas fiquem descoloridas naturalmente?

Naturalmente dando efeito grisalho, mas tudo depende mesmo do estilo da cliente. Não há uma regra específica, temos que analisar caso a caso isoladamente mesmo.

Fonte: www.feminice.com.br

Grisalhas, com orgulho

Uma escritora americana faz sucesso com um livro que incentiva as mulheres a assumir a beleza natural dos cabelos brancos

Anne Kreamer tingia os cabelos fazia tanto tempo que, diz, já nem sabia qual era a cor original. Aos 24 anos, começou com um alaranjado luminoso que destoava propositadamente do tom sóbrio usado pelas colegas de banco. Aos 40, adotou um preto-azulado que lhe dava um ar de roqueira e afastava o complexo de mãe envelhecendo. Foi só beirando os 50, quando olhou para uma fotografia sua ao lado da filha adolescente, que Anne entrou em crise. Viu na foto uma mulher de 49 anos que tentava aparentar 34. Achou que era hora de saber o que havia por baixo da coloração. Descobriu não apenas o cinza e o branco que esperava, mas um aspecto de sua personalidade que queria encobrir com a tintura. A experiência pode parecer fútil, mas rendeu um livro de sucesso nos Estados Unidos, Going Gray, que será lançado neste mês pela Editora Globo com o título Meus Cabelos Estão Ficando Brancos.
No livro, Anne relata como se sentiu ao longo dos 18 meses em que viu seus grisalhos aparecendo. O período de transição foi desconfortável, segundo ela, por causa da aparência desleixada do cabelo com as raízes descoloridas. A compensação foi descobrir, ao final da transformação, cabelos brilhantes e sedosos, merecedores de mais elogios que qualquer tom artificial. “Eu usava a coloração como uma muleta”, diz a autora. “Pensava que, se estivesse com o cabelo bem-feito, ninguém notaria se eu ganhasse 7 quilos ou vestisse um jeans velho. Quando deixei meu cabelo crescer grisalho, me dei conta de que precisava prestar mais atenção ao conjunto de minha aparência, o que eu não fazia havia muito tempo.” As reações das amigas – a maioria de cabelos tingidos – foram variadas. Umas aplaudiram sua coragem, outras reafirmaram a intenção de tingir até a morte. Anne fez uma experiência para testar a relação entre cor do cabelo e idade aparente. Pondo lado a lado fotos de mulheres com os cabelos tingidos e uma versão grisalha delas montada em computador, ela concluiu que a tintura nem sempre rejuvenesce. Às vezes, faz a mulher parecer mais velha. Em um site de relacionamento, Anne fez outra experiência: postou duas fotos suas, uma com os cabelos tingidos e outra com os fios grisalhos. Houve mais homens interessados na segunda.

“Todas as minhas conversas durante o processo de ficar grisalha me convenceram de que essa questão aparentemente tão trivial era, de fato, nada trivial às psiques, identidades e vida das mulheres”, diz Anne no livro. Uma de suas interlocutoras foi a amiga e também escritora Nora Ephron, autora de Meu Pescoço É um Horror (editora Rocco). Nora, aos 66 anos, tem cabelos castanhos. As duas foram jovens na época do movimento hippie e vêem mulheres de sua idade sentir-se culpadas por aderir a escolhas tão frívolas quanto tingir os cabelos. É como se disfarçar a idade fosse aceitar o establishment e abandonar os ideais da juventude.
Tingir os cabelos exige o esforço de retocar as raízes duas vezes por mês. Mesmo assim, nos Estados Unidos como no Brasil, são raras as mulheres que deixam os fios brancos crescer livres. A maioria o faz para manter a aparência. Uma pesquisa da empresa de cosméticos L’Oréal, realizada no ano passado, mostrou que mais da metade das mulheres brasileiras que colorem os fios brancos escolhe um tom próximo à cor original.

ASSUMIDA

A paulista Maru Girardi diz que nunca se incomodou com os fios brancos. “A mulher que quer parecer mais nova usa aquele tom loiro-menopausa”, diz
Deixar os fios brancos à mostra nem sempre funciona. A consultora de moda Regina Martelli tem uma opinião clara. “Só funciona se for muito chique e bem tratado. Senão fica parecendo uma personagem fantasiada”, diz. Aquelas que optaram pelos tons cinza e branco não concordam. (A polêmica continua no artigo ao lado.) A comerciante paulista e grisalha assumida Maru Girardi sabia que na família os cabelos dos mais velhos adquiriam um belo tom prateado. Bastou esperar os anos passarem e escolher um corte que combinasse com seu rosto. “O cabelo pintado entra em conflito com uma cara envelhecida. É a mulher querendo parecer mais nova, aquele tom que eu chamo de loiro-menopausa”, diz Maru. Assim como Anne Kreamer conta em seu livro, Maru observa que os homens são atraídos pelas grisalhas por ver nelas mulheres que não têm medo de mostrar quem realmente são.

Nem sempre o cabelo branco vem com a idade. No caso da carioca Ana Castello Branco, o primeiro fio branco apareceu aos 4 anos. Ela passou a adolescência e toda a juventude já com muitos cabelos grisalhos, em tons entre o branco e o preto. Hoje, aos 49, orgulha-se de uma cabeleira longa e alvíssima, tratada com xampus comprados fora do Brasil, e que nunca ousou tingir. A brancura de seu cabelo sempre foi polêmica. Os comentários e interrogatórios de amigos e desconhecidos são inevitáveis, e os elogios acabam, segundo ela, predominando. “Eu encaro o meu branco como uma cor, porque sempre foi assim. Embora já tenha influenciado outras mulheres, sei que algumas não devem deixar os brancos aparecer, porque pareceriam envelhecer rapidamente.”

Respeitem meus cabelos tingidos!

As mulheres se tornaram donas de suas contas bancárias e de suas raízes capilares. Abrir mão disso seria um contra-senso

Em seu mais recente livro, Meu Pescoço É um Horror, Nora Ephron declarou que o que revolucionou a vida da mulher contemporânea não foi o feminismo nem a aeróbica, mas a tinta de cabelo. Sob pena de decepcionar as mulheres (poucas) que resolveram levantar a bandeira da “autenticidade” para defender um movimento pró-cabeças grisalhas, concordo totalmente com Ephron. Outra escritora antenada, Anne Kreamer, tomou corajosamente a decisão de limar a tintura de sua vida e contou sua experiência em um livro. Com todo o respeito pela autora e até gostando de seu novo white look (em corte caprichadíssimo, ressalte-se) e de seu livro (bem interessante, admita-se), acho que a polêmica já apelidada de Gray War não deve preocupar o mais poderoso segmento da indústria cosmética mundial.

É uma falsa questão. E está muito mais ligada à estética do que à ética feminina. Cabelos brancos envelhecem a fisionomia e, adivinha só, ninguém quer parecer mais velho do que é. Não só as mulheres, como homens, que não pintam os cabelos porque fica mesmo ridículo ou porque acreditam sinceramente que ficam parecidos com o George Clooney. Abrir mão de qualquer artifício que a ciência tenha disponibilizado a nosso favor é, no mínimo, um contra-senso.

Na aparência e no comportamento, todas nós rejuvenescemos vertiginosamente nas últimas décadas. Mulheres de 40 anos eram velhuscas, aos 50 quase anciãs, e daí por diante macróbias. Fizemos um tremendo esforço para escapar desse triste desfecho precoce. Estudamos, trabalhamos, fizemos dietas, malhamos e... pintamos os cabelos. Ficamos loiras, castanhas, ruivas, (quase) magras e donas de nossas contas bancárias e nossas raízes capilares. Aos 50, damos risinhos maldosos quando encontramos nossos ex-colegas de faculdade que agora se parecem nossos pais. Não precisamos mentir a idade porque, de fato, ao parecermos mais novas, passamos a ser encaradas como tal, cheias de energia física e mental. Os cabelos pintados avalizam nossa cronologia interna, não o contrário.

Há mulheres belíssimas com cabelos acinzentados. São todas modelos suecas e escritoras francesas
Conheço mulheres (poucas) que ficam belíssimas com cabelos acinzentados. São todas modelos suecas, escritoras francesas ou a Meryl Streep (só em O Diabo Veste Prada) e a Helen Mirren. E elas têm muuuuuito trabalho. Gastam mais tempo e dinheiro no salão do que com uma cabeleira tingida comum. Ou adotam os cabelos muito curtos, o que, sinceramente, não ajuda ninguém depois dos 40.

Anne Kreamer destaca como surpreendente que os homens não estão nem aí para o branco de nossos cabelos. É natural que os homens, depois de uma certa idade, se sintam atraídos pelo charme elegante de uma cabeleira cinza. O problema é que não são os homens, mas as mulheres, as implacáveis juízas da nossa imagem. Mais precisamente, somos nós mesmas diante do espelho. É a partir da satisfação ou não com o que vemos refletido que nos tornamos belas e poderosas. Ou destruídas para a vida, o amor ou o trabalho. Olhar no espelho e enxergar a nossa avó é como ter um bad-hair day que durasse a eternidade. E a maior prova de que a “Guerra Cinza” é mais frívola do que parece foi o resultado de uma enquete entre as mais convictas usuárias de tintura nos cabelos. Quando perguntadas se preferiam ser tingidas e gordas ou grisalhas e magras cravaram sem pestanejar: grisalhas e magras. Claro.

Fonte: revistaepoca.globo.com

Eles já foram o pavor de muitas mulheres. Atualmente, porém, há produtos específicos para cabelos grisalhos

Elas pintam aqui, retocam ali, tudo para esconder os fios grisalhos. Mas, assim como muitos homens, algumas mulheres já vêm assumindo os seus cabelos brancos, conhecidos cientificamente como canície.

A revendedora de cosméticos Valéria Caldas de Lima, 48 anos, é uma delas. O esposo encontrou uma amiga que não via há tempos e disse que a moça envelhecia com dignidade, pois estava com os cabelos totalmente grisalhos. Acrescentou dizendo que as mulheres gostam de esconder a idade e têm medo de ficar sozinhas. Para provar que tanto com cabelos tingidos como brancos ela receberia elogios, Valéria raspou a cabeça com máquina número dois e deixou os fios crescerem na cor natural. Qual não foi minha surpresa quando percebi que as mulheres que não pintam os cabelos recebem tantos ou mais elogios que as que tingem. Sou muito feliz assim e ainda não tenho o gasto mensal para retocar a raiz. Tive cabelo loiro, vermelho, prata... até os 40 anos. Hoje, faço hidratação a cada 15 dias. Não me sinto uma velha por isso, as pessoas acham bonito , conta.

A causa dos cabelos brancos é hereditária. A descoloração fisiológica tem início nas têmporas e vai se estendendo por todo o couro cabeludo. O dermatologista Abdiel Figueira Lima explica que não há relação alimentar ou hábitos que levem à questão, já que a parte genética é quem determina.

De qualquer forma, o dermatologista Valcinir Bedin lembra que uma alimentação pobre em zinco e cobre ajuda a branquear os cabelos mais cedo. Esses elementos podem ser encontrados em frutos do mar com casca (ostra, marisco e camarão).

Trata-se de uma perda da atividade dos melanócitos, que produzem o pigmento melanina, de forma constitucional ou hereditária , diz. Pintar os fios desde cedo não os deixa brancos, a não ser que haja alguma complicação química contida na tinta escolhida. Os problemas mais comuns são, na verdade, reações alérgicas no couro, levando a uma interrupção do tingimento natural dos cabelos.

O cabeleireiro Albert da Silva conta que, para assumir as madeixas, o corte varia, de acordo com o gosto e aquilo que fica melhor para o tipo físico do cliente. Os mais curtos costumam ser os mais pedidos, mas não é necessário tirar todo o comprimento.

Os cabelos brancos são também rebeldes, já que o fio fica grosso. Dessa forma, ele recomenda muita nutrição, finalizando o tratamento sempre com um reparador de pontas de silicone apropriado, como o Oleo Relax, da Kérastase. Outra indicação é um xampu que tire o amarelado comum dos fios grisalhos, como o Silver, da L´oreal, além daqueles à base de óxido de zinco e cobre.

O cabeleireiro Alysson Morais indica os xampus Violetas para tirar o amarelo sem modificar a cor natural. O Boticário possui, dentro da Linha Universal Colors, produtos específicos para tratar cabelos grisalhos e brancos à base de açaí (rico em vitaminas, açúcares, bioflavonóides antioxidantes e óleos emolientes), menta (tônica e anti-séptica) e Pró-Vitamina B5 (nutrição da raiz e brilho).

Faça em casa

Uma técnica caseira e antiga para manter os fios brancos brilhantes é diluir vinagre em água gelada e aplicar nas madeixas. Isso ajuda a combater o tom amarelado e é sempre bom manter os fios hidratados.

A dermatologista Dilci Franco lembra que, além de mais grossos, os fios brancos são mais secos, com tendência a sofrer alterações pela exposição ao sol. Dessa forma, produtos para cabelo com filtro solar são uma sugestão de auxílio. Hidratantes e cortes freqüentes nas pontas também são recomendados.

Os cabelos brancos sempre foram considerados um elemento de respeito nas sociedades, desde a Grécia Antiga. A área temporal na nossa cabeça leva esse nome devido ao aparecimento dos primeiros fios brancos nesta região. Os homens ficam com os pêlos brancos primeiro na barba, depois cabelos e, por último, área genital. As mulheres seguem a ordem - cabelos e área genital , conta Bedin.

Não quero assumir!

Idade dos cabelos brancos

Caucasianos (brancos) - entre 35 e 45 anos.
Amarelos - entre 45 e 55 anos.
Negros - entre 55 e 65 anos.

Como se trata de um procedimento genético, não há como evitar. O dermatologista Jardis Volpe conta que alguns traumas que geram a queda capilar, como eflúvio telógeno (queda intensa de cabelos), vitiligo e alopecia aerata (calvície), podem fazer com que os próximos fios nasçam sem pigmentação. Para esconder, Figueira indica o tingimento com tintas vegetais (hena) e artificiais, evitando sempre a presença do chumbo nas formulações, que pode ser prejudicial.

De qualquer forma, tome cuidado! O jornalista Maurício Santini, 44 anos, passou vários tipos de tinturas nos cabelos e acabou deixando os fios avermelhados. Esse pode não ser o único problema. Uma pessoa que usa produtos em excesso pode vir a ter um eczema de contato desenvolvido por algum elemento químico contido na fórmula. Portanto, prefira a tinta vegetal. Além do chumbo, devem ser evitadas substâncias como prata e níquel, que causam intoxicação.

Hair stylists da Ísis Fashion Hair indicam tinta clara para as mulheres que quiserem cobrir os fios, pois elas disfarçam melhor e há maior espaço de tempo entre uma coloração e outra.

Apesar de ser uma herança genética, a dermatologista Paula Penna lembra que fatores emocionais como estresse podem deixar os cabelos brancos mais em evidência. Bedin explica que isso se dá porque ele faz com que os cabelos caiam. Como os fios coloridos caem antes dos brancos, já que os últimos são mais espessos, tem-se a impressão de que está ficando com os cabelos grisalhos.

Para evitar a situação, a adoção de hábitos saudáveis ajudam a preservar o bom funcionamento do organismo, reduzindo a velocidade do declínio de funções como produção de melanina.

Por último, Alysson Morais sugere aplicação de um tratamento anti-idade, voltado para pessoas acima de 40 anos. O tratamento age de dentro para fora do fio, repondo as matérias e nutrientes e deixando-o mais denso e maleável. São necessárias pelo menos dez sessões. Podemos contar também com as colorações específicas para os cabelos brancos, que além de cobrirem com eficácia, deixam os fios com nuances bem naturais, sem sobrecarregar o visual , explica.

Fonte: yahoo.guiadasemana.com.br

Fato ou ficção: O estresse deixa os cabelos brancos?

Cientistas desconfiam que os cabelos grisalhos e brancos que tememos (ou aceitamos de bom grado) podem aparecer mais cedo com as preocupações

A lenda conta que os cabelos de Maria Antonieta ficaram brancos na noite anterior ao seu encontro com a guilhotina. Aparentemente, o estresse da decapitação iminente fez com que seus cachos perdessem a cor em questão de horas. Muito provavelmente, isso não passa de um mito mas, segundo os cientistas, o estresse pode exercer um papel em um processo mais gradual de branqueamento dos cabelos.

Os primeiros fios grisalhos aparecem lá pelos 30 anos de idade nos homens e aos 35 anos nas mulheres, mas para algumas pessoas, os cabelos podem começar a perder a cor bem cedo, aos 17 anos, ou bem mais tarde, aos 50.

Tudo começa nos folículos capilares. Uma cabeça humana normal tem cerca de 100 mil dessas cavidades em forma de lágrima, cada uma capaz de dar origem a vários fios durante a vida inteira. Na base de cada folículo fica uma “fábrica de crescer cabelos” onde as células trabalham para produzir cabelo colorido. Os queratinócitos (células epidérmicas) formam o cabelo de baixo para cima, empilhando-se uns sobre os outros e finalmente morrendo e deixando para trás a queratina, uma proteína sem cor que confere textura e resistência ao cabelo. A queratina também é um componente básico das unhas, da camada mais externa da pele, dos cascos e garras dos animais e até mesmo dos chifres dos rinocerontes.

À medida que os queratinócitos constroem os fios, os melanócitos vizinhos fabricam um pigmento chamado melanina, que chega até os queratinócitos em pequenos pacotes chamados melanossomos.

Fonte: www2.uol.com.br

Foi-se o tempo em que os cabelos brancos nas mulheres significavam falta de vaidade ou de feminilidade. As madeixas brancas ganham cada vez mais ares de modernidade e estilo. Engana-se quem pensa que os brancos não exigem cuidados especiais.

Alessandro Zanarotto, cabeleireiro da rede Jacques Janine, da unidade Vila Nova Conceição, em São Paulo, afirma que é indispensável um belo corte, além de tratamentos adequados. Ele contou que na Espanha é bastante comum senhoras, na faixa dos 70 anos, com cabelos brancos e cortes modernos como o curtinho arrepiado.
Glória Menezes com seu branco curtinho

- Hoje em dia cada um dita sua própria moda. O branco não necessariamente envelhece a pessoa. A Glória Menezes, por exemplo, ficou ótima com o branco bem curtinho. Algumas clientes daqui se inspiraram nela – afirma Zanarotto.

Para que o cabelo branco fique com uma cor bonita, ele cita três técnicas. Umas delas é balaiagem, em que pequenas mechas são tingidas com a cor natural do cabelo com a intenção de quebrar um pouco o branco. A outra é o uso de tonalizantes com um tom mais claro que a cor natural do cabelo apenas para dar uma nuance diferenciada, e, a terceira, mais simples, é o uso de xampu adequado como L´Oreal Silver, que elimina o reflexo amarelo e reativa o brilho dos cabelos brancos e grisalhos.

Marcelo Pontes, hairstylist do Instituto di Bellezza Prima Qualitá, de Copacabana, no Rio de Janeiro, também avalia que os tempos mudaram.

- O branco pode, sim, deixar uma mulher bela e feminina. Não há mais aquele estereotipo da mulher de cabelos brancos ser aquela vovó que faz crochê. É claro que não fica bom um branco no fio longo, mas há vários cortes transados. Além disso, deixar os cabelos brancos não quer dizer abandoná-los, deixando-os sem cuidados – afirma Pontes.
Maria Lúcia não deixa de cuidar de seus branquinhos

Ele também diz que costuma usar em suas clientes um xampu profissional, que além de servir para lavrar e neutralizar o tom amarelo ou esverdeados dos cabelos brancos, ele também o aplica para fazer uma espécie de rinsagem, dando uma nuance diferenciada aos fios.

Àquelas que não querem os cabelos totalmente brancos, Pontes recomenda as luzes invertidas ou a aplicação de tonalizantes, que não contém amônia e duram, em média, um mês.

Para mantê-los hidratados, ele indica a máscara de tratamento nutritiva da Wella Lifetex.

Dona Maria Lúcia Felício dos Santos, de 79 anos, aderiu ao visual do branquinho moderno. Ela conta que desde os 19 anos sempre tingiu seus cabelos, mas há quatro passou a ter reação alérgica por causa da tintura. Então, resolveu assumir os fios branco.

- Não foi um drama, não. Como estava pintando-o de louro acinzentado, fui apenas cortando-o. Gostei muito do resultado. Sabe que me perguntam na rua que cor uso para conseguir essa tonalidade de branco? - diz ela orgulhosa de suas madeixas.

De bem com os cabelos brancos

Dona Maria Lúcia conta que se livrou da escravidão da pintura, mas está sempre atenta ao seu corte e ao penteado.

Fonte: oglobo.globo.com

assumir ou camuflar?

Não interessa qual é a sua cor, crença ou classe social, um dia você também terá cabelos brancos. Quando eles chegam, não adianta se desesperar, as soluções são as mais simples possíveis: pintar ou assumir.

Confira os produtos para realçar ou disfarçar os cabelos brancos

Há tempos, o cabelo branco deixou de representar vovós frágeis ou mulheres que não se cuidam. O branco é hoje sinônimo de atitude e estilo. “Os cabelos brancos só precisam de um corte moderno para não envelhecer a pessoa, mas sim deixá-la cheia de estilo”, afirma Thiago Bertocci, hair stylist.

A partir daí, vale a pena desvendar os mitos e as dúvidas em torno dos fios brancos. Para isso, a dermatologista Erica Monteiro e a terapeuta capilar, Sheila Bellotti, respondem às questões mais freqüentes.

Qual é o motivo do nascimento dos cabelos brancos?

Erica Monteiro, dermatologista: Cabelo branco é genético. Essa é a principal causa. Existem pessoas que têm tendência a ter mais cedo e outras mais tarde, mas todas terão. Com o passar dos anos, as células sofrem um processo chamado apoptose, que é a morte da célula que produz a melanina - pigmento que dá a cor aos pêlos e a pele. A morte desta célula, o melanócito, é programada pela genética de cada um.

Sheila Bellotti, terapeuta capilar: O normal e o que é muito importante ressaltar é que cabelos pretos não podem, de uma hora para outra, ficarem brancos. Cabelos crescem por anos com pigmentos dentro deles, a menos que eles morram, não há processo natural que possa destruir a melanina rapidamente.

O estresse pode desencadear o processo?

SB: Apesar de não ter ligação com o embranquecimento, alguns traumas, que geram uma queda capilar, como o eflúvio telógeno, o vitiligo capilar, ou a alopecia areata, podem fazer com que os próximos fios nasçam sem pigmentação.

Em que idade os fios brancos começam a aparecer?

EM: Pelo menos 50% da população com mais de 50 anos de idade apresenta fios brancos no couro cabeludo, mas não existe uma faixa etária que determine o início do aparecimento da kanície (o nome científico para os cabelos brancos). É normal que os primeiros fios brancos apareçam entre 30 e 40 anos. Antes disso também pode acontece, tudo depende dos antecedentes genéticos.

A estrutura do fio branco costuma ser diferente. Por que isso acontece? Ele é um fio "doente"?

EM: Na verdade não tem muita diferença, apenas falta melalina. Com o envelhecimento, os cabelos tendem a ficar menos hidratados. Os fios sofrem de acordo com a alteração hormonal, por isso, podem ficar mais secos e brilhar menos.

O que pode ser feito para evitá-los?

EM: Não existe nada que possa retardar o processo de embranquecimento dos fios. Esse é um processo genético e não uma doença que possa ser tratada. Quem tem tendência a ter cabelo branco vai ter.

Qual é a melhor saída para quem odeia ter que conviver com os fios brancos? Existe alguma novidade em cosméticos?

EM: O método eficaz é a coloração, a tintura. Além de ser uma maneira simples e barata de sumir com os fios brancos, elas contêm em suas fórmulas proteínas e nutrientes. Ou seja, além de tingir, as tintas também tratam.

Para quem prefere não pintar, o que fazer para os fios não ficarem amarelados?

EM: Existem alguns produtos, como shampoos e tonalizantes, que tiram o amarelado dos fios, outros tingem de violeta.

Fonte: www.sitemedico.com.br

obra da genética, mas pioram com o estresse

Todo mundo tem um dia, mas mesmo assim, muitas pessoas entram em pânico quando os primeiros fios começam a chegar. A partir disso, é uma correria para tingir, tentar disfarçar de alguma maneira ou criar coragem para assumir.

Mas o que leva os cabelos a ficarem brancos? Segundo a dermatologista Ligia Kogos, o tempo é o culpado de tudo, já que as nossas células produtoras da melanina, que colore os fios, se cansam com o passar dos anos e diminuem a produção. Com isso, os cabelos vão, aos poucos, perdendo sua coloração original e ficando esbranquiçados.

“Acontece com todo mundo um dia, mas a genética é fator determinante do momento em que os fios começam a perder a melanina. Por isso, algumas pessoas totalmente saudáveis começam a ficar grisalhas muito cedo, com cerca de 20 ou 25 anos, enquanto outras, só ganham os primeiros fios já beirando os 50 anos”, afirma a dermatologista.

Não existe uma maneira de evitar os fios brancos, mas é possível diminuir a velocidade do aparecimento deles. Uma alimentação saudável e uma rotina de exercícios físicos ajudam, e muito. Tente também levar a vida numa boa, sem se estressar por coisas pequenas.

“Apesar de não ter uma ligação direta, o estresse pode sim acelerar o processo de embranquecimento dos fios. Isso ocorre porque pessoas estressadas, assim como aquelas que sofreram algum trauma físico ou psicológico, ficam com a produção de hormônios desregulada e, aí, incluem-se os hormônios que regulam a produção de melanina”, completa Ligia Kogos.

Aquele velho método de negar a realidade e usar a pinça para extrair os fios brancos não funciona. Não porque estimula o crescimento de mais fios brancos, mas porque logo o seu próprio organismo vai se encarregar de repor este fio e, com o tempo, produzir mais deles.

Se os seus fios já começaram a aparecer e você não quer mesmo assumir, nem olhando nossa galeria de homens grisalhos e charmosíssimos, a única saída é pintar. O cuidado aqui é para não ficar artificial. Muitos salões oferecem o método de mechas invertidas, onde os cabelos brancos ganham "luzes" ao contrário, recebendo a tonalidade original do fio. Por isso, converse com um profissional de sua confiança. E aqui vai um aviso: pintar os cabelos dá trabalho por conta dos retoques constantes. Assumir os fios brancos é bem menos trabalhoso, além de ser sim, muito charmoso. Pense nisso!

Fonte: cristianaarcangeli.terra.com.br


Nota pessoal:
Tenho alguns cabelos brancos desde a adolescência, hoje já aumentaram bastante.
Não tenho vergonha ou me incomodam muito. Pinto mesmo por gostar de ter cabelos loiros mais do que brancos. Mas acredito que um dia também vou gostar de te-los todos brancos. Como os de Glória Menezes, linda, chiquérrima. Tem de ter muito estilo pra usar uma cabeça toda branca. Acho muito chique e charmosa. Mas tem de ter a cabeça toda branca pra ficar bonito. Eu ainda chego lá.

4 comentários:

  1. Eu adotei a um ano os cabelos brancos, tenho hj 52, mantenho o corte em dia, todo desfiado, uso shampoo especial. Quer saber? Faço maior sucesso.

    ResponderExcluir
  2. Oi,
    estou procurando materias sobre cabelos grisalhos e brancos e achei teu blog, bem bacana esse texto.
    :))
    me inspirou mais ainda a escrever.
    Dani
    www.danigarlet.com

    ResponderExcluir
  3. Cabelo branco é horrivel de feio, e quem pinta fica careca

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir