Ocorreu um erro neste gadget

Ola´! Que bom que passou por aqui, seja bem vindo! ! Espero que goste e volte sempre!!!!

"O Segredo da vitória, em todos os setores da vida, permanece na arte de aprender,imaginar,esperar e fazer mais um pouco."
( Chico Xavier - ditado por André Luiz )

segunda-feira, 27 de junho de 2011

FÉRIAS ESCOLARES: ALEGRIA OU TORMENTO?


Terminaram as aulas, os filhos em casa. Nada de horários, lições, leva e traz da escola, enfim, missão cumprida.

Muitos pais comemoram as férias dos filhos, pois elas representam um descanso para eles também..

Fazem suas férias coincidirem com as escolares, apreciam conviver com os filhos, aproveitam para colocar os assuntos em dia, passeiam juntos.

É hora de reunir a família. Outros, porém, não sabem o que fazer com os filhos em casa e se atrapalham, não planejam férias conjuntas, ficam ansiosos e acabam por desejar que o ano letivo comece logo.


As férias são importantes para as crianças e adolescentes refazerem-se do estresse causado pelas atividades escolares.

Esse é um período que pode ser aproveitado pela família toda.

Porém, se não for planejado, pode ser um pesadelo para todos.

O ideal é que aqueles que gostam de participar ativamente da vida dos filhos planejem férias conjuntas ou pelo menos alguns momentos agradáveis com eles.


As férias são merecidas por todos: os que foram aprovados e mesmo os que não foram. Todos trabalharam o ano todo, fizeram os deveres, se empenharam.

Alguns mais, outros menos. Férias devem ser férias.

Nada de fazer os filhos estudarem em pouco tempo o que não conseguiram durante o ano letivo.

Se a família puder ficar bem com todos juntos, ótimo.

Se o convívio não é a melhor opção no momento, faça com que esse período seja agradável aos filhos.

Planeje viagens, acampamentos ou deixe-os escolher o que desejam fazer.

Forçar uma convivência quando não se está preparado pode colocar todos numa situação desagradável.

Que todos tenham boas férias.

Eliza Helena Ercolin

Fonte: www.educacional.com.br

domingo, 26 de junho de 2011

DIA DO METROLOGISTA


26 DE JUNHO

O dia 26 de junho é uma referência ao dia 26 de junho de 1862, quando o então imperador Dom Pedro II introduziu no Brasil, através da Lei número 1.175, o Sistema Métrico Decimal, a partir do Sistema Métrico Francês.

Todas as atividades relacionadas à adoção desse sistema, precursor do atual Sistema Internacional de Unidades, levaram à criação, em 1961, do Instituto Nacional de Pesos e Medidas e, em 1973, do Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial, o Inmetro.Durante o primeiro Império, foram feitas diversas tentativas de uniformização das unidades de medida brasileiras.

Mas apenas em 26 de junho de 1862, Dom Pedro II promulgava a Lei Imperial nº 1157 e com ela oficializava, em todo o território nacional, o sistema métrico decimal francês.

O Brasil foi uma das primeiras nações a adotar o novo sistema, que seria utilizado em todo o mundo.

Com o crescimento industrial do século seguinte, fazia-se necessário criar no país instrumentos mais eficazes de controle que viessem a impulsionar e proteger produtores e consumidores.

Em 1961 foi criado o Instituto Nacional de Pesos e Medidas (INPM), que implantou a Rede Brasileira de Metrologia Legal e Qualidade, os atuais IPEM, e instituiu o Sistema Internacional de Unidades (S.I.) em todo o território nacional.

Logo, verificou-se que isso não era o bastante.

Era necessário acompanhar o mundo na sua corrida tecnológica, no aperfeiçoamento, na exatidão e, principalmente, no atendimento às exigências do consumidor.

Era necessário a Qualidade.

Em 1973, nascia o Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial, o Inmetro, que no âmbito de sua ampla missão institucional, objetiva fortalecer as empresas nacionais, aumentando a sua produtividade por meio da adoção de mecanismos destinados à melhoria da qualidade de produtos e serviços.

Fonte: www.inmetro.gov.br

sábado, 25 de junho de 2011

DIA DO IMIGRANTE


25 de Junho

Dia 25 de junho é DIA DO IMIGRANTE. Aquela pessoa que vai exercer sua profissão em outro país, onde a mão de obra oferece mais oportunidades. Mas este não o único motivo que leva a saída do país. A busca pelo sucesso, cursos de especialização, qualidade de vida, aproximação dos familiares são alguns dos motivos que levam a troca temporária ou permanente por outros lugares.

O Brasil é um país de imigrantes. Aqui, desde o o final de 1800, chegaram para trabalhar as mais variadas etnias; italianas, alemães, polonesas e oriundos de quase todos os países da Europa e Ásia. Em fins do século XIX, os japoneses começaram a chegar em grandes grupos, sendo apoiados por seu governo, devido a crises de trabalho existente em sua terra.

Todos estes imigrantes, com sua força de trabalho e vontade de vencer, fizeram junto com os brasileiros um Brasil próspero e rico. Esse progresso e crescimento se deve muito a mão de obra africana, que apesar do regime escravagista, deixou sua marca genética.

Há muitos brasileiros que saem em busca de novos rumos Alguns voltam sem conseguir seus objetivos, mas há os que adotam a nova terra, porque lá alcançaram sua meta e voltam apenas para visitar ou buscar parentes, facilitando uma possível carreira fora daqui.

Devido a falta de empregos nos países preferidos pelos imigrantes, fato este devido ao aumento demográfico, as nações mais procuradas tiveram que adotar medidas antimigratórias, como a Lei Dèbret, aprovada na França em 1997 e a Lei de Responsabiidade pela Imigração em vigor nos EE.UU. no mesmo ano.

O fato é que sempre haverá imigrações, migrações, intercambios culturais, até porque está no íntimo do ser humano, a vontade de conhecer e conviver com novas culturas, aliada a necessidade de sobrevivência através do trabalho e especializações encontradas em outros países mais adiantados.

Fonte: www2.portoalegre.rs.gov.br

terça-feira, 21 de junho de 2011

DIA DA MÍDIA


21 DE JUNHO

Mídia, no Brasil, designa quase tudo o que diz respeito à comunicação.

Por isso mesmo, é algo de extrema importância para a sociedade atual, cada vez mais atrelada à mídia para se comunicar.

O mundo passa pela tela da televisão, pelas ondas do rádio, pela rede mundial ou pelo papel-jornal.

O que não existe neles, não existe para a maior parte da sociedade.A palavra vem do latim "medius", que quer dizer "meio" ou "instrumento mediador".

Em inglês, a palavra foi usada pela primeira vez em 1923 para designar os "mass media", ou "meios de comunicação de massa".

No inglês, media (meios) é o plural de medium (meio).

Mas, no Brasil, a expressão mídia - com pronúncia herdada do inglês e não do latim - é usada indistintamente no singular e no plural.

SIGNIFICADOS DA MÍDIA

Conjunto dos meios de comunicação ou um meio de comunicação em particular, o departamento das agências de propaganda encarregado de avaliar os veículos de comunicação, datas, horários (no caso de rádio e TV), páginas (no caso de publicações impressas), espaços virtuais ou locais (publicidade de trânsito, outdoors etc.) mais indicados para a transmissão de mensagens publicitárias.

Fonte: UFGNet

domingo, 19 de junho de 2011

Livro mapeia joaninhas no Reino Unido e Irlanda


A primeira publicação a mapear todas as 47 espécies de joaninhas encontradas no Reino Unido e Irlanda descobriu que alguns dos tipos mais comuns do inseto estão em declínio na região.
O atlas "Ladybirds (Coccinellidae) of Britain and Ireland", baseado em registros de especialistas e voluntários, traz observações detalhadas de joaninhas feitas nos últimos 20 anos, mas o registro mais antigo presente na publicação foi feito perto da cidade de Oxford em 1819.
"As joaninhas capturaram a imaginação das pessoas por séculos. Quando a Pesquisa Online de Joaninhas Britânicas foi lançada em 2005, nunca poderíamos imaginar que dezenas de milhares de pessoas contribuiriam com registros", disse o coautor do livro, professor Peter Brown, da Universidade de Anglia Ruskin.

"Esta resposta impressionante nos permitiu analisar as mudanças na distribuição de joaninhas ao longo do tempo. Além disso, as observações meticulosas dos colaboradores nos deu inspiração para novas direções de pesquisa", disse Brown.

Os resultados mostraram que enquanto dez espécies de joaninhas estão em declínio nos últimos 20 anos, outras cinco vêm aumentando em número.
A espécie mais comum é a joaninha de sete bolinhas, que teve 27 mil registros, seguida pela recém-chegada predadora joaninha-arlequim, com 25 mil registros.

"Ladybirds (Coccinellidae) of Britain and Ireland" tem autoria de Helen Roy, Peter Brown, Robert Frost e Remy Poland e é uma publicação do Biological Records Centre, Centre for Ecology and Hydrology, do Reino Unido.

Fonte:www1.folha.uol.com.br/

Nota pessoal:
São lindas!! É muito agradável observar os vários tipos de joaninhas. Além disso, as joaninhas são controladores naturais de pragas, como o pulgão. Além de muito simpáticas.são úteis para a natureza.

sábado, 18 de junho de 2011

DIA NACIONAL DA IMIGRAÇÃO JAPONESA

18 DE JUNHO

Dia 26 de julho, a Lei n.º 11.142, que cria o Dia Nacional da Imigração Japonesa, a ser celebrado no dia 18 de junho, data da chegada do vapor japonês Kasato-Maru, que trouxe oficialmente os primeiros imigrantes nipônicos para o Brasil.

O ato foi assinado pelo presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, e pelo ministro da Cultura interino, João Luiz Silva Ferreira.
O navio que aportou em 1908 nas Docas de Santos, em São Paulo, trazia 781 japoneses reunidos em aproximadamente 158 famílias. Essa foi a primeira leva de imigrantes nipônicos, dos cerca de 260 mil que vieram a dar entrada no país no início do Século XX.

Atualmente, já existe a quinta geração de descendentes, os gosseis, e a comunidade japonesa ultrapassa 1 milhão de habitantes. A maioria está concentrada no estado de São Paulo (70%). O Paraná abriga mais 12%, o Mato Grosso 2,5% e o Pará mais de 1%.

A história da imigração japonesa no Brasil foi retratada no cinema pela diretora Tizuka Yamasaki nos filmes Gaijin, Caminhos da Liberdade (Brasil, 1980) e Gaijin 2, Ama-me como Sou (Brasil, 2003), que levaram às telas a saga dos descendentes dos imigrantes japoneses no Brasil.

Um pouco da história dos japoneses

Com o final do Período Feudal no Japão, muitos ficaram sem trabalho. O governo decide incentivar a saída do país de seus cidadãos e cria a Companhia Imperial de Imigração. As relações diplomáticas entre o Brasil e Japão foram estabelecidas em 1895, data em que foi firmado o Tratado de Amizade, Comércio e Navegação entre os dois países.

O Kasato-Maru chegou em 18 de maio de 1908 trazendo os primeiros japoneses para o Brasil, dando início a uma aventura em um país distante.Os imigrantes trazidos pela Companhia Imperial de Imigração foram para as fazendas de café no interior do estado de São Paulo.

Vencidos os contratos de trabalho, grande parte dos trabalhadores mudou-se para o interior paulista ou para a região litorânea ao longo da estrada de ferro Santos-Juquiá. Outros se estabeleceram na periferia da capital.Entre 1910 e 1914, chegaram do Japão cerca de 14.200 imigrantes e foram criadas dezenas de comunidades japonesas. O pico do fluxo de imigrantes acontece entre 1925 e 1935, quando mais de 140 mil vieram buscar uma nova vida por aqui.

A imigração foi interrompida por dez anos, com o advento da 2ª Guerra Mundial. Em 1959, os japoneses voltaram a se instalar no Brasil, mas em escala reduzida. Com a recuperação econômica do Japão, a imigração praticamente deixou de existir.

Fonte: www2.cultura.gov.br

No dia 26 de julho de 2005, sob a Lei nº 11.142, foi instituído o Dia Nacional da Imigração Japonesa no Brasil. Neste ano de 2007, a comunidade nipônica completa 99 anos.

A chegada ocorreu em 1908, no navio Kasato Maru, em Santos (SP), e trouxe a bordo 781 pessoas, aproximadamente 158 famíliasTratavam-se dos primeiros imigrantes japoneses que deram entrada no país, depois de atravessarem os oceanos em busca de um mundo cheio de novidades.

Atualmente, os japoneses e descendentes são em torno de 1,5 milhão de pessoas no Brasil.

A maioria está concentrada no Estado de São Paulo, em seguida no Paraná, Mato Grosso e Pará.

Na Capital paulista existe um bairro onde predomina a cultura nipônica, o Bairro da Liberdade.

Há ruas decoradas, comércios, variedades de festas e restaurantes típicos, com os pratos especiais da culinária japonesa.

Fonte: www2.portoalegre.rs.gov.br

sexta-feira, 17 de junho de 2011

O quadro na decoração


QUADRO

1. O desenho de uma moldura deve ter relação com o tema e o “peso” da obra.

Exemplo

Um quadro simples e “leve” combina com uma moldura reta e pequena.

2. Uma moldura côncava aumenta a impressão de perspectiva sugerida em uma obra.

3. Uma pintura sem perspectiva pede uma moldura convexa que a solte da parede.

4. Trabalhos densos pedem molduras de linhas fortes para conter a imagem.

5. Trabalhos delicados pede molduras simples e leves.

6. Deve-se sugerir molduras com linhas para telas lineares.

7. Cores marcantes no passe-partout ajudam a separar a imagem da moldura, criando uma sensação de perspectiva.

8. Tonalidades claras – como o bege – devem ser usados para acentuar as cores.

9. Quando for necessário o uso do vidro – caso dos trabalhos em papel -, deve-se pensar na utilização de vidros anti-reflexo.

10. Para pintura com cores quentes – vermelho, marrom e amarelo – predominantes, o apropriado é usar molduras de cores igualmente quentes; quando elas forem de cores frias - azul, verde e branco -, o correto é a utilização de molduras prateadas ou de cores similares.

CUIDADO COM TELAS E MOLDURAS

1. Para limpar molduras, comece tirando o pó com um pano ou pincel – se ela for trabalhada. Na parte de trás da moldura, faça uma revisão mais detalhada e periódica para preserva-la de traças e insetos.

2. Para evitar que os quadros marquem a parede, cole em cada canto interno da moldura uma rodelinha de cortiça.

3. Os quadros à óleo pedem limpeza cuidadosa, duas vezes ou mais ao ano, caso fiquem expostos à poeira.

4. Nunca use aspirador de pó em nenhum dos lados do quadro. A sucção pode estalar a pintura.

5. Da mesma forma, diga não ao espanador, que também pode danificar a tela.

6. Evite que o sol bata diretamente sobre as telas.

7. Leve os quadros ao moldureiro pelo menos uma vez por ano. Assim, ele poderá fazer uma limpeza completa e cuidadosa no objeto e aplicar um remédio para que ele fique livre dos cupins.

8. Observe periodicamente se existe mofo ou algum tipo de infiltração na parede. Qualquer descuido neste sentido pode danificar o quadro.

9. Não passe cera na moldura. Normalmente ela já é colocada na tela quando já está encerada.

10. Se tomar muito sol o quadro pode até empenar. Por isso, o controle da quantidade de luz é fundamental.

O QUADRO NA DECORAÇÃO

1. As cores do quadro devem estar presentes em algum móvel ou objeto de decoração, como tapetes e almofadas.

2. O tom da moldura também deve acompanhar alguma das cores existentes na tela.

3. Quem gosta de uma decoração moderna deve optar por quadros “clean”.

4. Não se deve exagerar na quantidade e no tamanho dos quadros em cômodos pequenos, principalmente se eles já têm muitos móveis.

5. Não existe quadro indicado para este ou aquele ambiente. Entretanto, o estilo do quadro pode acompanhar o estilo da decoração. Por exemplo, se a sua sala de jantar é clássica, uma boa pedida é um quadro de natureza morta. Na sala de estar do mesmo estilo, telas de paisagem caem bem.

6. Ambientes modernos pedem quadros com texturas ou gravuras. Existem reproduções de bom preço no mercado.

7. As molduras são dispensáveis em muitos quadros. Entretanto, se a tela for a óleo é indicado o uso da moldura.

8. Para realçar a beleza dos quadros, pode-se optar por luzes direcionadas embutidas em gesso.

9. Se for uma gravura protegida por vidro, tenha cuidado para que o vidro seja anti-reflexo. Caso contrário, o quadro vira um espelho.

10. Antes de pendurar os quadros na parede, faça a composição que você imaginou no chão. Assim você terá uma idéia de como vai ficar, sem correr o risco de furar a parede desnecessariamente.

DICAS ÚTEIS

1. O quadro é considerado elemento da decoração. Assim, o bom senso é o melhor aliado do gosto pessoal. Além de combinar cor e estilo, os quadros devem ser bem posicionados. O melhor é coloca-los sempre no nível da linha do olhar. Assim, se ele estiver acima de um móvel, a distância do quadro para o móvel é de 30 centímetros. Se a distância for contada do chão, a altura ideal é de 1,50 metro.

2. Para não errar recomenda-se não misturar os estilos. Tapeçaria combinada com quadros, por exemplo, não é uma opção feliz.

Fonte: www.moldunet.com.br


A colocação de quadros na parede pode valorizar a decoração da casa ou acarretar um desastre visual. “Telas mal fixadas ou em excesso acabam com o equilíbrio de qualquer ambiente”, é o que nos ensina o decorador Paulo Galvão.

As principais dicas a serem seguidas para evitar erros e garantir o sucesso da sua decoração são as seguintes:

Observe a altura do teto e dos móveis antes de escolher o local para colocar os quadros. Não precisa centralizá-los. O importante é observar o equilíbrio da composição.

Antes de furar a parede, teste a posição dos quadros no chão. Meça a distância entre eles e só depois dê continuidade ao serviço.

Use pregos de aço ou parafusos número 6. Outros materiais podem estragar a parede, além de fazer um furo muito grande, que impede que a tela fique firme na parede.

Fonte: www.prevcon.com.br

terça-feira, 14 de junho de 2011

ECOBAGS – UMA AJUDA SIMPLES E MODERNA


A necessidade de ajudar o meio ambiente leva as pessoas a pensarem em soluções praticas que agradem a população. Esse foi o caso da criação das ecobags ou sacolas ecológicas que surgiram no conceito de sustentabilidade para substituir as sacolas de plástico, tanto de mercados quanto do comércio em geral. Elas são feitas de materiais duráreis, como os tecidos, trazem um ar de modernidade e mostNo Brasil, as grandes redes de supermercados aderiram essa idéia e repassaram as pequenas redes.

Ainda existe uma resistência nas pequenas cidades, onde a facilidade do uso de sacolas plásticas não sobrepõe o mal que as mesmas causam ao meio ambiente.

Segundo dados, no mundo todo são consumidos cerca de 1 milhão de sacolas plásticas por minuto, resultando em mais de 500 bilhões por ano! Só no Brasil essa quantidade chega a 12 bilhões por ano. Além do lixo acumulado nos aterros sanitários, as sacolas são feitas de um material que emite gases poluentes. Os números revelam que cada família brasileira descarta em média 40kg de plástico por ano.

Alguns países tomaram atitudes mais radicais para reduzir o consumo de sacos plásticos. Uns proíbem totalmente a utilização, como em São Francisco – EUA, outros cobram pelo seu uso, como na Alemanha e Dinamarca. Em Zanzibar – África, onde o turismo é a principal atividade econômica, se alguém usar um saco plástico vai preso, com pena de seis meses de cadeia ou U$ 2.000 de multa.A tendência é que essa mudança do uso de sacolas plásticas para ecobags, seja apoiada por mais e mais pessoas.

Nas grandes cidades, já surgem novas formas de ajudar o meio ambiente. Atualmente estão sendo inaugurados supermercados com uma idéia totalmente ecológica, desde a sua construção até o seu atendimento. Um exemplo disso, são os depósitos para embalagens de produtos como caixas de pasta de dente, cereais, entre outros.

Na construção mudanças importantes resultam em consumo 25% menor de energia e 40% menor de água, como o uso de lâmpadas funcionais e econômicas e o maior aproveitamento possível da luz natural, como também a reutilização de água da chuva e a implementação de descarga a vácuo nos banheiros.



Fonte: Revista Ecológica Digitalram o estilo para cada usuário.



ECOBAG, A MISSÃO

VEJA POR QUE A SACOLA REUTILIZÁVEL É O MELHOR JEITO DE VOCÊ CARREGAR AS COMPRAS, ENQUANTO ENTREGA SAÚDE AO PLANETA

UM SACO INCOMODA MUITA GENTE

O saco plástico é produto do petróleo; leva até 400 anos para se decompor; se descartado incorretamente, entope bueiros e agrava enchentes; mata animais marinhos que o comem.

Mais: “Se um saco plástico com material orgânico ficar muito tempo fechado, ao ser aberto libera metano, gás 21 vezes pior ao aquecimento global que o gás carbônico”, diz Fernanda Daltro, coordenadora de consumo sustentável do Ministério do Meio Ambiente.

DÊ BANHO NELAS

Um estudo da Universidade do Arizona (EUA) e da Universidade de Loma Linda (EUA) achou nas sacolas retornáveis usadas um número considerável de micro-organismos nocivos, como bactérias que causam infecção gastrointestinal. Uma vez por semana, higienize sua ecobag. Se for de tecido, ponha na máquina de lavar só com sabão. Depois, com ela ainda úmida, borrife gotas de uma solução feita com 1 colher (sopa) de água sanitária e 1 litro de água. Isso também é legal para limpar ecobag plastificada.

UMA VALE POR MIL

Em média, uma ecobag dura cinco anos. Nesse tempo, você deixa de pegar cerca de mil sacos plásticos no mercado.

CADA UMA, CADA UMA

Quando for ao mercado, leve ao menos duas ecobags: assim pode separar alimentos de produtos de limpeza e evitar contaminações.

EM CASA

A quantidade de sacos que cabe no porta-saco, ou puxa-saco, é suficiente para você jogar todo o lixo orgânico do banheiro e da cozinha. Não precisa pegar mais do que isso no mercado. Vá de ecobag!

PAPEL É Nº 2

Se esqueceu as ecobags, peça caixas de papelão ao pagar a conta no mercado. Esse material é reciclado com mais facilidade pela indústria.

1,5 MILHÃO

É a quantidade de sacos plásticos consumidos por hora no Brasil. O dado é do Ministério do Meio Ambiente. Uma ecobag na mão e você já ajuda a mudar isso!

Sofia Solves

Fonte: planetasustentavel.abril.com.br

segunda-feira, 13 de junho de 2011

DIA DO TURISTA


13 DE JUNHO

O Turismo é uma das atividades mais lucrativas e com maior possibilidade de expansão no Brasil. Com uma enorme extensão de praias e paraísos tropicais dos mais variados, o Brasil tem todo o potencial necessário para trazer turistas de todo o mundo e também do próprio país.
O grande desafio é tornar esta, uma atividade profissional.

Hoje, ainda há locais turísticos pouco explorados, por falta de mão-de-obra preparada e, outros que, pelo excesso de exploração sem orientação, tem sido desgastados e podem, dentro de alguns anos, não mais existir.

Atrair turistas é muito importante para o país, mas estes devem ser orientados a desfrutar de tudo o que o local oferece sem, no entanto, destruir.

PERFIL DO TURISTA BRASILEIRO

As altas cotações do dólar nos últimos anos e uma profissionalização dos serviços de turismo no país foram fatores essenciais para o turista brasileiro optar cada vez mais por viagens domésticas.

Um estudo realizado pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas e Universidade de São Paulo (Fipe/USP), no ano passado, comprovou que o brasileiro está concentrando seus gastos com turismo em viagens nacionais, viajando menos de ônibus e mais de avião e trocando a casa de parentes e amigos por hospedagem em hotéis.

De acordo com a pesquisa denominada de Caracterização e Dimensionamento do Turismo Doméstico no Brasil, comparando as pesquisas realizadas em 1998 e 2001, a intenção de viajar para o exterior caiu de 2,5% em 1998, para 2,2% no ano passado.

O coordenador da pesquisa, Wilson Rabahy, explica que a valorização da moeda norte-americana e os atentados terroristas nos Estados Unidos fizeram muitas pessoas mudarem seus planos de viajar para o exterior.

Fonte: UFGNet

Lazer significa a lista de atividades gratificantes desenvolvidas fora do sistema produtivo (trabalho), das obrigações sociais, religiosas e familiares. O lazer é um direito tão legítimo quanto o direito à educação, a saúde, a segurança, ao transporte etc.Turismo é uma atividade do terceiro setor, ou seja, do setor de serviços. É o complexo de atividade e serviços relacionados aos deslocamentos, transportes, alojamento, alimentação, produtos típicos, atividades relacionadas aos movimentos culturais, visitas, lazer e entretenimento.

É também o conjunto de serviços que têm por objetivo o planejamento, a promoção e a execução de viagens e serviços de recepção, hospedagem e atendimento aos indivíduos e aos grupos temporariamente fora de suas residências habituais.

Resumindo: Turismo é a viagem feita por prazer a locais que despertam interesse, o conjunto dos serviços necessários ao atendimento às pessoas que fazem esse tipo de viagem. Assim, gera múltiplas inter-relações de importância social, econômica e cultural.

Fonte: www.unisc.br

quarta-feira, 8 de junho de 2011

DIA DO CITRICULTOR


8 DE JUNHO

Importância Econômica

A história da citricultura brasileira está intimamente ligada à própria história do país. Poucos anos após a descoberta do Brasil, entre 1530 e 1540, os portugueses introduziram as primeiras sementes de laranja doce nos Estados da Bahia e São Paulo.Dadas às condições ecológicas favoráveis, as plantas produziram satisfatoriamente, a ponto de os frutos da laranja ‘Bahia’ serem reconhecidas ainda no Brasil Colônia como maiores, mais sucosos e de excelente qualidade do que os produzidos em Portugal.

Mas, somente a partir dos anos 30 do século passado, a citricultura começou a ser implantada comercialmente nos Estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Bahia, tendo apresentado maiores índices de crescimento nos estados do Sudeste e Sul.

A citricultura brasileira apresenta números expressivos que traduzem a grande importância econômica e social que a atividade tem para a economia do país.

Alguns desses números são mostrados concisamente: a área plantada está ao redor de 1 milhão de hectares e a produção de frutas supera 19 milhões de toneladas, a maior no mundo há alguns anos.

O país é o maior exportador de suco concentrado congelado de laranja cujo valor das exportações, juntamente com as de outros derivados, tem gerado cerca de 1,5 bilhão de dólares anuais.

O setor citrícola brasileiro somente no Estado de São Paulo gera mais de 500 mil empregos diretos e indiretos.

A Região Nordeste responde por 9% da produção nacional, constituindo-se na segunda maior região produtora do país, com mais de 110.000 hectares cultivados e mais de 1,5 milhões de toneladas.

Dentre os estados produtores, o destaque fica com os estados Bahia e Sergipe, respectivamente segundo e terceiro produtores nacionais, que representam juntos 90% de toda área plantada (Tabelas 1 e 2).

A citricultura nordestina tem grande potencial para implementar seu crescimento sobretudo em função da ausência de doenças e pragas de grande importância que se encontram distribuídas no Sudeste, maior centro produtor.

No que diz respeito ao incremento e geração de empregos, percebe-se que devido à instalação de muitas casas de embalagens (packing-houses) e aumento da exportação do limão tahiti para o Mercado Europeu, muitos empregos diretos e indiretos tem sido oferecidos, na ordem de 100 mil.

Fonte: www.sistemasdeproducao.cnptia.embrapa.br

Otimizar os investimentos, melhorar a produtividade e preservar os pomares: esses são alguns dos principais objetivos do citricultor. Este produtor, com seu cuidado, dedicação e perseverança, fez com que a citricultura ocupasse um lugar de incontestável destaque na economia brasileira.
A agroindústria citrícola brasileira está concentrada no Estado de São Paulo e é responsável pela quase totalidade da produção e pelo processamento da safra nacional de laranja, além do abastecimento de parte significativa do mercado mundial do suco concentrado, congelado e de seus subprodutos. Cabe aos citricultores paulistas também o abastecimento do mercado doméstico da fruta in natura.

Um dos desafios da citricultura é o manejo dos pomares, pelos cuidados que exigem as frutas.

A laranjeira é uma planta perene, que necessita de tratos intensivos, investimentos e técnica para, somente após quatro anos, começar a produzir.

Assim, essa cultura demanda maquinário e tecnologia para garantir a qualidade dos produtos, coisa que o país está disposto a concretizar com altos investimentos no setor.

O dia do Citricultor foi criado em 1969. De lá pra cá, a citricultura brasileira se desenvolveu muito: a tecnicidade e a capacitação trouxeram certa estabilidade e respeito para o setor, que hoje é um motivo de orgulho para a economia brasileira.

FRUTAS

A citricultura é a cultura de frutas cítricas. São exemplos deste tipo de fruta, a laranja, a tangerina e o limão.

Fonte: UFGNet ; Massey Ferguson

sábado, 4 de junho de 2011

DIA INTERNACIONAL DAS CRIANÇAS VÍTIMAS DE AGRESSÃO


4 DE JUNHO

Dia quatro de junho não é data para se comemorar. Absolutamente, não.

É um dia, isto sim, para refletirmos sobre algo terrível: a violência contra as crianças.

Quatro de junho, por conseguinte, foi escolhido para ser o Dia Internacional das Crianças Vítimas de Agressão.

Em todo o mundo ela acontece e, aqui, no Brasil, também. Infelizmente.Mas é preciso ficarmos atentos para o significado dessa agressão e nos perguntarmos de que tipo de agressão, afinal, estamos falando. Somente da agressão física? Naturalmente que esta é a mais dolorosa do ponto de vista biológico, mas será ela a mais absurda?

Existem diversos níveis de agressão: a corporal, a psicológica, a social, a econômica... outros deve haver, com certeza, mas por ora fiquemos com esses.

VIOLÊNCIA CORPORAL

Segundo o Ministério da Saúde, a violência é a segunda principal causa de mortalidade global em nosso país e só fica atrás das mortes por doenças do aparelho circulatório. Os jovens são os mais atingidos. Além deles, a violência atinge ainda, em grau muito elevado, as crianças e as mulheres.

Para esta situação contribuem diversos fatores, entre eles, a má distribuição de renda, a baixa escolaridade, o desemprego.

Na cidade de São Paulo, por exemplo, 64% das denúncias de agressão à criança tem origem em casa, de acordo com levantamento do SOS Criança (instituição estadual que recebe denúncias de agressão contra a criança e o adolescente).

Os episódios mais rotineiros são afogamento, espancamento, envenenamento, encarceramento, queimadura e abuso sexual.

Não é preciso ressaltar o quanto os casos de estupro, de clausura, prejudicam o desenvolvimento afetivo e psicológico da criança, sem falar naqueles que levam à morte ou a problemas físicos irreversíveis.

VIOLÊNCIA ECONÔMICO-SOCIAL

Segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Trabalho Infantil (PNAD/2001), realizada pelo IBGE, o trabalho infantil é exercido por cerca de 2,2 milhões de crianças brasileiras, entre 5 e 14 anos de idade.

A maioria dessas crianças vem de famílias de baixa renda e trabalha no setor agrícola.

Dados da Organização Internacional do Trabalho (OIT) apontam que nos países em desenvolvimento mais de 250 milhões de crianças de 5 a 14 anos de idade trabalham.

A maioria delas (61%) vive na Ásia - um continente de grande densidade populacional - e em seguida vem a África, com 32%.

Porém, em termos relativos, é na África que a situação preocupa, pois em cada cinco crianças, duas trabalham.

Na Ásia, a proporção cai para a metade: de cada cinco crianças de 5 a 14 anos, uma trabalha.

Nas grandes cidades, muitas crianças são ambulantes, lavadoras e guardadoras de carros, engraxates etc., vivem de gorjetas, sem remuneração ou com, no máximo, um salário mínimo.

Esta situação as afasta da sala de aula e também das brincadeiras, jogos lúdicos fundamentais para um desenvolvimento psicológico saudável rumo à vida adulta.

Conseqüência da pobreza, uma vez que essas crianças necessitam trabalhar para ajudar no sustento familiar, o trabalho infantil é proibido pela Constituição Brasileira de 1988 e seu combate é considerado pela Organização das Nações Unidas (ONU) e pela Organização Internacional do Trabalho (OIT) uma das prioridades dos países em desenvolvimento.

Fonte: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

quarta-feira, 1 de junho de 2011

DIA INTERNACIONAL DA CRIANÇA



01 DE JUNHO

Após a 2ª Grande Guerra Mundial, as crianças de todo o Mundo enfrentavam grandes dificuldades, a alimentação era deficiente, os cuidados médicos eram escassos.

Os pais não tinham dinheiro, viviam com muitas dificuldades, retiravam os filhos da Escola e punham-nos a trabalhar de sol a sol. Mais de metade das crianças Europeias não sabia ler nem escrever.Em 1950, a Federação Democrática Internacional das Mulheres, propôs às Nações Unidas que se comemorasse um dia dedicado a todas as crianças do Mundo.

Os Estados Membros das Nações Unidas, - ONU - reconhecendo que as crianças, independentemente da raça, cor, sexo, religião e origem nacional ou social, necessitam de cuidados e atenções especiais, precisam de ser compreendidas, preparadas e educadas de modo a terem possibilidades de usufruir de um futuro condigno e risonho, propuseram o Dia 1 de Junho, como Dia Mundial da Criança.

Nunca é demais lembrar, até porque poucas vezes isso tem sido feito, quais os direitos que assistem especificamente às crianças, e que estão consagrados na Convenção sobre os Direitos da Criança que foi elaborada em 1989 pelas Nações Unidas, que tiveram em consideração, entre outras coisas, o indicado na Declaração dos Direitos da Criança, adoptada em 20 de Novembro de 1959 pela Assembleia Geral desta Organização, que dizia que “a criança, por motivo da sua falta de maturidade física e intelectual, tem necessidade de uma protecção e cuidados especiais...”.

A ONU reconheceu também que “em todos os países do mundo há crianças que vivem em condições particularmente difíceis e a quem importa assegurar uma atenção especial, tendo devidamente em conta a importância das tradições e valores culturais de cada povo para a protecção e o desenvolvimento harmonioso da criança e a importância da cooperação internacional para a melhoria das condições de vida das crianças em todos os países, em particular nos países em desenvolvimento.”

OS 10 MANDAMENTOS DA CRIANÇA AOS PAIS

1. As minhas mãos são pequenas: por favor não esperem a perfeição ao fazer a cama, desenhar, atirar e agarrar uma bola.
As minhas pernas são pequenas: por favor abrandem para eu vos poder acompanhar.

2. Preciso de encorajamento para crescer. Por favor sejam brandos nas vossas críticas. Lembrem-se: podem criticar o que faço sem me criticarem a mim.

3. Os meus olhos não vêem o mundo do mesmo modo que os vossos. Por favor deixem-me explorá-lo em segurança. Não me impeçam de o fazer sem necessidade.

4. Os meus sentimentos ainda estão tenros. Não impliquem comigo o tempo todo. Tratem-me como desejariam ser tratados.

5. As tarefas domésticas estão sempre a precisar de ser feitas. Só sou pequeno por pouco tempo. Por favor percam tempo a explicar-me as coisas deste fantástico mundo em que vivemos e façam-no de boa vontade.

6. Por favor não vão "fazer por cima" tudo o que eu faço. Isso dá-me a ideia de que os meus esforços nunca alcançam as vossas expectativas.

Sei que é difícil, mas não me comparem a outras crianças.

7. A minha existência é uma dádiva. Cuidem de mim como é esperado, responsabilizando-me pelas minhas acções, dando-me linhas de orientação e disciplinem-me de um modo afectuoso.

8. Por favor não tenham medo de ir passar fora um fim-de-semana. Os filhos precisam de férias dos pais como os pais precisam de férias dos filhos. É uma bela maneira de mostrarem como a vossa relação é especial.

9. Por favor dêem-me a liberdade para tomar decisões que me dizem respeito. Deixem-me falhar, para que eu possa aprender com os meus erros. Assim, um dia estarei preparado para tomar as decisões que a vida me exigirá.

10. Por favor dêem-me todas as oportunidades para eu aprender e bons exemplos para eu seguir. Assim poderei tornar-me numa pessoa verdadeira, recta e humana.

Fonte: web.educom.pt

Mídia, no Brasil, designa quase tudo o que diz respeito à comunicação. Por isso mesmo, é algo de extrema importância para a sociedade atual, cada vez mais atrelada à mídia para se comunicar.O mundo passa pela tela da televisão, pelas ondas do rádio, pela rede mundial ou pelo papel-jornal.

O que não existe neles, não existe para a maior parte da sociedade.

A palavra vem do latim "medius", que quer dizer "meio" ou "instrumento mediador".

Em inglês, a palavra foi usada pela primeira vez em 1923 para designar os "mass media", ou "meios de comunicação de massa".

No inglês, media (meios) é o plural de medium (meio).

Mas, no Brasil, a expressão mídia - com pronúncia herdada do inglês e não do latim - é usada indistintamente no singular e no plural.

Significados da mídia - conjunto dos meios de comunicação ou um meio de comunicação em particular, o departamento das agências de propaganda encarregado de avaliar os veículos de comunicação, datas, horários (no caso de rádio e TV), páginas (no caso de publicações impressas), espaços virtuais ou locais (publicidade de trânsito, outdoors etc.) mais indicados para a transmissão de mensagens publicitárias.

Fonte: www2.portoalegre.rs.gov.br