Ocorreu um erro neste gadget

Ola´! Que bom que passou por aqui, seja bem vindo! ! Espero que goste e volte sempre!!!!

"O Segredo da vitória, em todos os setores da vida, permanece na arte de aprender,imaginar,esperar e fazer mais um pouco."
( Chico Xavier - ditado por André Luiz )

sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

ANO NOVO


O dia 1º de janeiro foi reconhecido como Dia do Ano Novo com a introdução do calendário gregoriano na França, Itália, Portugal e Espanha em 1582.

Calendário gregoriano é quase universal. Mesmo em alguns países não cristãos, ele foi adaptado às próprias tradições ou adotado apenas para uso civil, mantendo-se outro calendário para fins religiosos.

As promessas feitas na passagem de ano, tão comuns e tão descumpridas, não são uma tradição recente.

Os babilônios já as faziam há 4 mil anos. Mas em vez de resolverem levar uma dieta a sério ou parar de fumar, eles juravam de pés juntos que, tão logo acabassem as festas, devolveriam equipamentos de agricultura que haviam sido emprestados por amigos.

A tradição de usar um bebê como símbolo do Ano Novo foi adotada pelos gregos por volta do ano 600 a.C. Eles desfilavam com um bebê dentro de um cesto para homenagear Dionísius, o deus do vinho.

O ritual era a representação do espírito da fertilidade, pelo renascimento anual de Dionísius.

Pular sete ondinhas e fazer sete pedidos assim que soa a meia-noite do Ano Novo é um costume brasileiro tão arraigado quanto vestir branco. A origem desses rituais está nas religiões africanas trazidas pelos escravos. O branco representa luz, pureza e bondade.

Foi na França, em 1885, que usou-se pela primeira vez a expressão fim de éculo .

A festa de Bom Jesus dos Navegantes é realizada em Salvador, no primeiro dia do ano. A imagem de Cristo, em embarcação ornamentada e acompanhada por centenas de outras, cruza a baía de Todos os Santos.

A música mais famosa do réveillon brasileiro, Adeus, Ano Velho!, foi feita em 1951 por Chico Alves, com letra de David Nasser.

Todos os anos a comunidade nipônica de São Paulo (SP) realiza no dia 31 de dezembro a Motitsuki. Consiste em uma farta distribuição do moti, bolinho de arroz japonês.

Faz parte da tradição comer o petisco no primeiro dia do ano para trazer sorte.

O último lugar do mundo a festejar o início de um ano novo é a Ilha de Samoa, no Pacífico.

Fonte: lista10.org

A primeira comemoração chamada de festival de ano-novo aconteceu na Mesopotâmia por volta de 2.000 a C. Na Babilônia a festa começava na ocasião da Lua Nova, indicando o equinócio de primavera, ou seja, um dos momentos em que o Sol se aproxima da linha do Equador, quando os dias e as noites têm a mesma duração.

No calendário atual, isso ocorre em meados de março, mais precisamente, dia 19 de março, data em que os espiritualistas comemoram o ano-novo esotérico.

Os assírios, persas, fenícios e egípcios comemoravam o ano novo no dia 23 setembro e os gregos comemoravam o início de um novo ciclo em dezembro, nos dias 21 e 22.

Os romanos foram os primeiros a estabelecer uma data no calendário para realizar uma grande festa (753 AC a 476 DC). O dia era primeiro de março, mas foi trocado para primeiro de janeiro e mantido no calendário juliano, adotado em 46 AC. Só em 1.852 foi que a igreja consolidou a data quando adotou o calendário gregoriano.

Ainda hoje, na China se comemora a festa de passagem de ano no fim de janeiro ou começo de fevereiro. A comunidade judaica tem um calendário próprio para comemorar a passagem de um ano ou Rosh Hashaná que ocorre em meados de setembro ao início de outubro do calendário gregoriano. Já os islâmicos, o ano-novo é comemorado em meados de maio.

Para nós, a contagem decrescente indica o fim de um ciclo e o começo de um outro. É um momento de promessas que irão alimentar nossos sonhos por 365 dias. Todos os rituais indicam que o ano que começa virá com novas esperanças.

Todas as tradições que de uma forma ou outra estão presentes nas nossas vidas. Vale muito a comemoração, exaltação do espírito, roupas novas, fogos e desejos de um ano melhor

Fonte: jornale.com.br


ORIGEM E CURIOSIDADES SOBRE O ANO-NOVO

Você sabia que o ano-novo se consolidou na maioria dos países há 500 anos? Desde os calendários babilônicos (2.800 a.C.) até o calendário gregoriano, o réveillon mudou muitas vezes de data.

A primeira comemoração, chamada de "Festival de ano-novo" ocorreu na Mesopotâmia por volta de 2.000 a. C. Na Babilônia, a festa começava na ocasião da lua nova indicando o equinócio da primavera, ou seja, um dos momentos em que o Sol se aproxima da linha do Equador onde os dias e noites tem a mesma duração.

No calendário atual, isto ocorre em meados de março (mais precisamente em 19 de março, data que os espiritualistas comemoram o ano-novo esotérico).

Os assírios, persas, fenícios e egípcios comemoravam o ano-novo no mês de setembro (dia 23). Já os gregos, celebravam o início de um novo ciclo entre os dias 21 ou 22 do mês de dezembro.

Os romanos foram os primeiros a estabelecerem um dia no calendário para a comemoração desta grande festa (753 a.C. - 476 d.C.) O ano começava em 1º de março, mas foi trocado em 153 a. C. para 1º de janeiro e mantido no calendário juliano, adotado em 46 a. C. Em 1582 a Igreja consolidou a comemoração, quando adotou o calendário gregoriano.

Alguns povos e países comemoram em datas diferentes. Ainda hoje, na China, a festa da passagem do ano começa em fins de janeiro ou princípio de fevereiro. Durante os festejos, os chineses realizam desfiles e shows pirotécnicos. No Japão, o ano-novo é comemorado do dia 1º de janeiro ao dia 3 de janeiro.

A comunidade judaica tem um calendário próprio e sua festa de ano-novo ou Rosh Hashaná, - "A festa das trombetas" -, dura dois dias do mês Tishrê, que ocorre em meados de setembro ao início de outubro do calendário gregoriano. Para os islâmicos, o ano-novo é celebrado em meados de maio, marcando um novo início. A contagem corresponde ao aniversário da Hégira (em árabe, emigração), cujo Ano Zero corresponde ao nosso ano de 622, pois nesta ocasião, o profeta Maomé, deixou a cidade de Meca estabelecendo-se em Medina.

Contagem decrescente os últimos minutos do dia 31 de Dezembro seja: 10, 9, 8, 7, 6, 5, 4, 3, 2, 1. A passagem de Ano Novo é o fim de um ciclo, início de outro. É um momento sempre cheio de promessas. E os rituais alimentam os nossos sonhos e dão vida às nossas celebrações. Na passagem de Ano Novo, não podemos deixar de aproveitar a oportunidade para enchermos o coração de esperança e começar tudo de novo. E para que a festa corra muito bem, há algumas tradições e rituais que não podemos esquecer...

Fogos e barulho

No mundo inteiro o Ano Novo começa entre fogos de artifício, buzinadas, apitos e gritos de alegria. A tradição é muito antiga e, dizem, serve para espantar os maus espíritos. As pessoas reúnem-se para celebrar a festa com muitos abraços.

Roupa nova

Vestir uma peça de roupa que nunca tenha sido usada combina com o espírito de renovação do Ano Novo. O costume é universal e aparece em várias versões, como trocar os lençóis da cama e usar uma roupa de baixo nova.

Origem do Ano Novo

As comemorações de Ano Novo variam de cultura a cultura, mas universalmente a entrada do ano é festejada mesmo em diferentes datas.

O nosso calendário é originário dos romanos com a contagem dos dias, meses e anos. Desde o começo do século XVI, o Ano Novo era festejado em 25 de Março, data que marcava a chegada da primavera.

As festas duravam uma semana e terminavam no dia 1º de Abril. O Papa Gregório XIII instituiu o 1º de Janeiro como o primeiro dia do ano, mas alguns franceses resistiram à mudança e quiseram manter a tradição. Só que as pessoas passaram a pregar partidas e ridicularizar os conservadores, enviando presentes estranhos e convites para festas que não existiam. Assim, nasceu o Dia da Mentira, que é a falsa comemoração do Ano Novo.

Tradições de Ano Novo no mundo

Itália

O ano novo é a mais pagã das festas, sendo recebido com Fogos de artifícios, que deixam todas as pessoas acordadas. Dizem que os que dormem na virada do ano dormirão todo o ano e na noite de São Silvestre, santo cuja festa coincide com o último dia do ano. Em várias partes do país, dois pratos são considerados essenciais. O pé de porco e as lentilhas. Os italianos se reúnem na Piazza Navona, Fontana di Trevi, Trinitá dei Monit e Piazza del Popolo.

Estados Unidos

A mais famosa passagem de Ano Novo nos EUA é em Nova Iorque, na Time Square, onde o povo se encontra para beber, dançar, correr e gritar. Há pessoas de todas as idades e níveis sociais. Durante a contagem regressiva, uma grande maçã vai descendo no meio da praça e explode exactamente à meia-noite, jogando balas e bombons para todos os lados.

Austrália

Em Sydney, uma das mais importantes cidades australianas, três horas antes da meia-noite, há uma queima de fogos na frente da Opera House e da Golden Bridge, o principal cartão postal da cidade. Para assistir ao espectáculo, os australianos se juntam no porto. Depois, recolhem-se a suas casas para passar a virada do ano com a família e só retornam às ruas na madrugada, quando os principais destinos são os pubs e as praias.

França

O principal ponto é a avenida Champs-Elysées, em Paris, próximo ao Arco do Triunfo. Os franceses assistem à queima de fogos, cada um com sua garrafa de champanhe (para as crianças sumos e refrigerantes). Outros vão ver a saída do Paris-Dacar, no Trocadéro, que é marcada para a meia-noite. Outros costumam ir às festas em hotéis.

Brasil

No Rio de Janeiro, precisamente na praia de Copacabana, onde a passagem do Ano Novo reúne milhares de pessoas para verem os fogos de artifício. As tradições consistem em usar branco e jogar flores para Yemanjá , rainha do mar para os brasileiros.

Inglaterra

Grande parte dos londrinos passa a meia-noite em suas casas, com a família e amigos. Outros vão à Trafalgar Square, umas das praças mais belas da cidade, à frente do National Gallery. Lá, assistem à queima de fogos. Depois, há festas em várias sítios da cidade.

Alemanha

As pessoas reúnem-se no Portal de Brandemburgo, no centro, perto de onde ficava o Muro de Berlim. Tradicionalmente, não há fogos de artificio.

Curiosidade

Em Macau, e para todos os chineses do mundo, o maior festival do ano é o Novo Ano Chinês. Ele é comemorado entre 15 de Janeiro e 15 de Fevereiro de acordo com a primeira lua nova depois do início do Inverno. Lá é habitual limparem as casas e fazerem muita comida (Bolinhos Chineses de Ano Novo - Yau Gwok, símbolo de prosperidade). Há muitos fogos de artifício e as ruas ficam cobertas de pequenos pedaços de papel vermelho.

Cada cultura comemora seu Ano Novo. Os muçulmanos têm seu próprio calendário que se chama Hégira , que começou no ano 632 d.C. do nosso calendário. A passagem do Ano Novo também tem data diferente 6 de Junho, foi quando o mensageiro Mohammad fez a sua peregrinação de despedida a Meca.

As comemorações do Ano Novo judaico, chamado Rosh Hashanah . É uma festa móvel no mês de Setembro (este ano foi 6 de Setembro). As festividades são para a chegada do ano 5763 e são a oportunidade para se deliciar com as tradicionais receitas judaicas: o Chalah , uma espécie de pão e além do pão, é costume sempre se comer peixe porque ele nada sempre para frente.

O primeiro dia do ano é dedicado à confraternização. É o Dia da Fraternidade Universal. É hora de pagar as dívidas e devolver tudo que se pediu emprestado ao longo do ano. Esse gesto reflecte a nossa necessidade de fazer um balanço da vida e de começar o ano com as contas acertadas.

Tradições Portuguesas

As pessoas valorizam muito a festa de Ano Novo, porque sentem o desejo de se renovar. Uma das nossas tradições é sair às janelas de casas batendo panelas para festejar a chegada do novo ano. Nos dias 25 de Dezembro e 1º de Janeiro, costumamos comer uma mistura feita com as sobras das ceias, que são levadas ao forno. O ingrediente principal da chamada Roupa Velha é o bacalhau cozido, com ovos, cebola e batatas, regados a azeite.

Para as superstições, comer 12 passas durante as 12 badaladas na virada do ano traz muita sorte, assim como subir numa cadeira com uma nota (dinheiro) em uma das mãos. Em várias zonas do litoral, há pessoas que mesmo no frio do Inverno conseguem entrar na água e saudar o Ano Novo.

Fonte: www.miniweb.com.br

O ano novo está chegando e nada melhor que começar o ano com o pé direito.

Existem várias frases de ano novo que falamos para pessoas próximas desejando um ano melhor e cheio de realizações.
Confira abaixo frases de ano novo:

1° Para sonhar um ano novo que mereça este nome, você, meu caro, tem de merecê-lo, tem de fazê-lo novo, eu sei que não é fácil, mas tente, experimente, consciente. É dentro de você que o Ano Novo cochila e espera desde sempre.

2° Nós abriremos o livro. Suas páginas estão em branco. Nós vamos pôr palavras nele. O livro chama-se Oportunidade e seu primeiro capítulo é o Dia de ano novo.

3° Nenhum ano será realmente novo se continuarmos a cometer os mesmos erros dos anos velhos.

4° Festejar, comemorar, comer e beber bastante nas festas de final de ano não é o que engorda, o que realmente engorda não é o que comemos entre o Natal e o Ano Novo, e sim, aquilo que comemos entre o Ano Novo e o Natal.

5° Alegrias para um ano novo e outra chance para nós acertarmos.

6° As pessoas estão tão preocupadas sobre o que eles comerão entre o Natal e o ano novo, mas eles realmente deveriam estar preocupados sobre o que eles comem entre o ano novo e o Natal.

7° O Dia de ano novo é o aniversário de todo homem.

8° De repente, num instante fugaz, os fogos de artifício anunciam que o ano novo está presente e o ano velho ficou para trás.

9° Se chovesse felicidade, eu lhe desejaria uma tempestade. Feliz Ano Novo!

10° O objetivo de um ano novo não é que nós deveríamos ter um ano novo. É que nós deveríamos ter uma alma nova.

Fonte: www.sitequente.com

quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

ANO NOVO, CORES NOVAS


TODO FIM DE ANO É A MESMA PREOCUPAÇÃO.

Afinal, que cor eu uso?

Azul, para proteção e tranqüilidade. Amarelo, prosperidade. Rosa, para o amor. Ou devo ser mais agressiva, usando um vermelho fatal talvez?!!

As festas de fim de ano chegaram tão rápido, que aquela roupa usada no Réveillon passado, que foi super planejada, nos parece sempre familiar, pois é a mesma coisa todo ano, o tal do branco.

E se a roupa não era branca, pelo menos, nas peças íntimas, com certeza, eram. O medo de discordar do que já é convencional e se dar mal é muito grande. Às vezes, crenças que você nem sabe de onde vêm dirigem as nossas vidas.

As pessoas valorizam a passagem do ano, pois depositam nela todos os seus sentimentos e o desejo de renovação.

Comunidades antigas expressavam isso através de ritos, pois jogavam fora roupas e objetos, querendo eliminar de suas vidas tudo o que estivesse envelhecido, e se banhavam em rios ou mar para acolher boas vibrações e renovar as energias.

Daí, talvez venham algumas dessas crenças.

No Brasil, usar roupas brancas no Réveillon se tornou quase que uma obrigatoriedade, e essa mania surgiu de superstições das religiões africanas.

Fazemos planos para o futuro, pensamos e planejamos com cuidado, incluindo como nos comportaremos, e como iremos nos vestir. Aí a moda vai e vem, e muda conforme nossas necessidades.

Pelo fato de morarmos num país tropical, onde o sol reina a maior parte do ano - e justo nestas datas - isso nos faz querer usar roupas leves com cores alegres.

Quando vestimos uma cor para passar o Réveillon, devemos escolher cores que representem os nossos sonhos e as nossas necessidades, para que tudo se realize no no Ano Novo.

O que você busca?

Qual é a cor que a sua alma está pedindo?

Veja se estas cores podem te ajudar.

Relação de cores e seus significados

Branco

Sugere pureza, ordem, simplicidade, hamonia. É expressiva, estimula os sentidos, realça o bronzeado, mas em excesso promove o cansaço e a depressão. Cuidado com tecidos transparentes para não se tornar vulgar.

Preto

É uma cor sóbria, indica o silêncio. Quando brilhante, sugere nobreza, distinção e elegância, pode ser combinada com várias cores, cria também a ilusão de estarmos mais magras, mas deve ser evitada no verão.

Cinza

Como as cores expressam o estado de nossa alma, o cinza revela que estamos com incertezas ou neutra. É o próprio símbolo da indecisão e da ausência de energia, quanto mais sóbrio, mais se está desanimada e na monotonia.

Vermelho

Significa força, dinamismo, funciona como estimulante, tem ação poderosa sobre o estado de ânimo. É uma cor quente devendo ser usado com cautela, pois é uma cor enervante. Transborda vida e agitação. Esta cor tem a tendência de dar a impressão de engordar a pessoa que usa, por isso, evite usar uma roupa inteira vermelha.

Laranja

Sua função é estimular e nos alegrar. É uma cor contagiante e quente, transborda irradiação e expansão, é acolhedora, mas cuidado para não carregar demais. Usar em estampas de camisas ou em peças menores.

Amarelo

Ela age direto no nosso sistema nervoso central, é muito luminosa, vibrante e forte, atrai a atenção com facilidade. Estimula a ação, o encorajamento e as realizações. Em roupas, usar em pequenas peças ou que tenham estampas; o amarelo aumenta o calor.

Verde

Cor universal da natureza. Tem efeito calmante, relaxante, tem frescor, harmonia e equilíbrio. Pode ser combinado com alguns tons como marrom, terra e preto.

Azul: efeito calmante e repousante, cor profunda. Preferida por adultos pois traz uma certa maturidade. Azul na roupa fica ótimo quando usado tom sobre tom. No tom claro ou com branco provoca sensação de frescura e higiene, quando escuro, chama para o infinito.

Roxo

Equivalente a um pensamento místico, ao mistério. Remete à nobreza e ao poder.

Marron

Emana a impressão de algo denso. Sugere segurança e solidez. É indicado para ser usado em compromissos de trabalho onde se queira passar segurança e confiança para outras pessoas.

Rosa

É uma cor delicada, sugere feminilidade e afeição. É a cor dos românticos e sonhadores.

Celso Kasprzak

Fonte: www.velhosamigos.com.br



ANO NOVO, CORES NOVAS

Todo fim de ano é a mesma preocupação. Afinal que cor eu uso? Azul, para proteção e tranqüilidade. Amarelo, prosperidade. Rosa, para o amor. Ou devo ser mais agressiva, um vermelho fatal talvez?!!

As festas de fim de ano chegaram, tão rápido que aquela roupa usada no Reveillon passado, que foi super planejada, nos parece sempre familiar, pois é a mesma coisa todo ano, o tal do branco. E se a roupa não era branca, pelo menos, nas peças intimas, com certeza, eram. O medo de descordar do que já é convencional e se dar mal é muito grande. Às vezes crenças, que você nem sabe de onde vem, dirigem a nossas vidas.

As pessoas valorizam a passagem do ano, pois depositam nela todos os seus sentimentos e o desejo de renovação. Comunidades antigas expressavam isso através de ritos, pois jogavam fora roupas e objetos, querendo eliminar de suas vidas tudo que estivesse envelhecido, e se banhavam em rios ou mar para acolher boas vibrações e renovar as energias. Daí, talvez venham algumas dessas crenças.

No Brasil, usar roupas brancas no Reveillon se tornou quase que uma obrigatoriedade, e essa mania surgiu de superstições das religiões africanas.

Fazemos planos para o futuro, pensamos e planejamos com cuidado, incluindo como nos comportaremos, e nos vestimos, aí a moda vai e vem, e muda conforme nossas necessidades.

Pelo fato de morarmos num país tropical, onde o sol reina a maior parte do ano e justo nestas datas isso nos faz querer usar roupas leves com cores alegres.

Quando vestimos uma cor para passar o Reveillon devemos escolher cores que representem o que queremos para o Ano Novo, os nossos anseios e nossas necessidades. O que você busca? Qual é a cor que a sua alma está pedindo? Veja se estas cores podem te ajudar.

Relação de cores e seus significados

quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

RECEITA DE ANO NOVO


Carlos Drummond de Andrade

Para você ganhar belíssimo Ano Novo
cor do arco-íris, ou da cor da sua paz,
Ano Novo sem comparação com todo o tempo já vivido
(mal vivido talvez ou sem sentido)
para você ganhar um ano
não apenas pintado de novo, remendado às carreiras,
mas novo nas sementinhas do vir-a-ser;
novo

até no coração das coisas menos percebidas
(a começar pelo seu interior)
novo, espontâneo, que de tão perfeito nem se nota,
mas com ele se come, se passeia,
se ama, se compreende, se trabalha,
você não precisa beber champanha ou qualquer outra birita,
não precisa expedir nem receber mensagens
(planta recebe mensagens?
passa telegramas?)

Não precisa
fazer lista de boas intenções
para arquivá-las na gaveta.
Não precisa chorar arrependido
pelas besteiras consumidas
nem parvamente acreditar
que por decreto de esperança
a partir de janeiro as coisas mudem
e seja tudo claridade, recompensa,
justiça entre os homens e as nações,
liberdade com cheiro e gosto de pão matinal,
direitos respeitados, começando
pelo direito augusto de viver.

Para ganhar um Ano Novo
que mereça este nome,
você, meu caro, tem de merecê-lo,
tem de fazê-lo novo, eu sei que não é fácil,
mas tente, experimente, consciente.
É dentro de você que o Ano Novo
cochila e espera desde sempre.

Fonte: www.revista.agulha.nom.br

terça-feira, 28 de dezembro de 2010

RECEITAS PARA CEIA DE ANO NOVO


Adeus ano velho
Feliz Ano Novo
Que tudo se realize
No ano que vai nascer.
Muito dinheiro no bolso
saúde pra dar e vender

Para os solteiros
Sorte no amor
Nenhuma esperança perdida

Para os casados
Nenhuma briga
Paz e sossego na vida

Composição: Francisco Alves e David Nasser




SALADA RICA DE GRÃOS DE BICO


Ingredientes

1/2kg de grãos de bico
1 couve flor
3 cebolas cortadas em fatias
cheiros verdes picados em grande quantidade
2 latas de atum
sal a gosto
molho de pimenta a gosto
2 pés de alface crespa
6 tomates sem sementes picados
vinagre a gosto
azeite a gosto.

Modo de fazer

Lave bem a couve flor, corte em buquês, cozinhe em água e sal, e retire do fogo quando estiver cozida, porém ainda durinha, sem se desmanchar. Reserve.

Cozinhe os grãos de bico em panela de pressão e tire todas as peles (saem facilmente depois de cozidos), esfregando com as mãos. Reserve.
Pique os tomates e as cebolas em fatias, e reserve. Limpe a alface.

Depois, monte o prato utilizando uma grande travessa de inoxidável, monte, no centro, a alface como se ela estivesse inteira. Enfeite com galhos de salsinha.

Misture bem as cebolas em rodelas, os grãos de bico, os tomates e o conteúdo das duas latas de atum. Tempere com cheiro verde picado, o sal e o molho de pimenta, regue com azeite e vinagre. Ponha em volta da alface. Ao redor do prato, os buquês de couve flor, formando uma guirlanda.

LOMBO COBERTO POR LARANJAS

Ingredientes

2kg de lombo de porco
1 cebola ralada,
1 colher (sopa) de manteiga,
1 e 1/2 colher (sopa) de maisena,
1/2 colher (chá) de gengibre em pó,
1 copo de suco de laranja,
1 tablete de caldo de carne.

Modo de fazer:

Coloque o lombo em assadeira com a parte gordurosa para cima e asse durante 1:30 hora, mais ou menos, em forno brando.

Frite a cebola na manteiga até que fique macia. Junte os ingredientes mexendo sempre. Cozinhe até engrossar um pouco e pincele o lombo com essa mistura, assando-o por mais 1 hora, aproximadamente. Sirva com fatias de abacaxi e rodelas de laranja.

segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

SIMPATIAS DE ANO NOVO


"Para passar o ano novo é recomendável usar roupas brancas. Para ter bastante dinheiro usa-se uma nota nova na carteira"

"Para conquistar um amor, coloque numa pequena vasilha algumas gotas de azeite de oliva, folhas de ciprestes e umas gotas de perfume de laranjeira. Misture tudo muito bem e guarde. Toda vez que você sair, passe um pouquinho dessa fórmula sobre as sobrancelhas e, em seguida, leia o Salmo 113, deixando-o aberto sobre a cabeceira da cama".

"Para atrair sorte, faça um saquinho pequeno, com tecido vermelho, que nunca tenha sido usado. Coloque dentro dele um pouco de cera de abelha e feche-o. Carregue sempre na carteira ou no bolso, como patuá".

"Para uma solteira conseguir casamento, conte três palmos de uma fita branca e corte. Amarre este pedaço da fita numa imagem de Santo Antônio. Deve colocar a imagem no quarto e pedir a Santo Antônio que lhe arranje um casamento. Se a mulher solteira for você, a simpatia também pode ser feita. Peça para que sua mãe ou uma amiga fiel faça a simpatia, sem que você veja".

Estas são algumas das milhares de receitas mágicas de domínio popular, as quais muitos recorrem a fim de resolver seus problemas. Seus praticantes as chamam de simpatias e são largamente empregadas pelo povo brasileiro, sendo difundidas como inofensivas tradições folclóricas. Mas... Será que as simpatias são realmente inofensivas? Que poderes envolvem? Que perigos escondem? Quais os reais limites entre a fé e a superstição? O uso de palavras bíblicas santifica esta prática? Há alguma relação entre a simpatia e a bruxaria?

Possuir respostas para estas perguntas é vital. Pessoas que jamais entrariam em um terreiro ou se envolveriam com algum tipo de ocultismo tornam-se ingenuamente (ou não) vítimas das maldições inerentes a este tipo de prática. A inocência não serve de escudo.

Definindo simpatia

O que é mesmo simpatia? O dicionário Aurélio a define, entre outras coisas, como: "ritual posto em prática, ou objeto supersticiosamente usado, para prevenir ou curar uma enfermidade ou mal-estar". Mas esta explicação é muito branda. A significação de um site sobre simpatia é outra bem diferente para esta prática: "Simpatia é a maneira ritual de forçar poderes ocultos a satisfazerem a nossa vontade".

Este conceito é exato e sincero, uma vez que não são as meras palavras, atos, rituais e objetos que vão levar a realização do desejo do praticante da simpatia, mas, sim, os poderes nela invocados. Não são as gotas do azeite, os pingos da vela e/ou o pano vermelho os verdadeiros objetos da fé. Os praticantes, quando usam destas coisas, colocam sua fé em entidades indefinidas ou em algum santo católico, como no caso de Santo Antônio, Santo Expedito e São Jorge, muito comuns em simpatias.

Isso significa que, mesmo sem intenção, ou involuntariamente, procura-se criar algum vínculo com o mundo espiritual e manipulá-lo de forma a atender nossos desejos. A grande questão é: com quem a magia da simpatia lida?

Brincando com o inimigo

Neste mundo pragmático em que vivemos, o que as pessoas geralmente querem saber é: "Funciona?".

O mesmo site comenta: "A simpatia tem grande prestígio, dada a psicologia do povo que quer resultados imediatos, sem tratamento e sem trabalho, trazidos pelas escamoteações da mágica. Em suma, o milagre".

Embora a única preocupação do praticante seja ter resultado imediato, ele, porém, não se detém para questionar qual a fonte do poder por trás das simpatias. Claro que a maioria não funciona, e o aparente efeito de algumas não passa de coincidência ou auto-sugestão. Mas quando se trata de um "milagre" real, os envolvidos não questionam o autor do suposto milagre, nem sequer cogitam que estes "poderes ocultos" têm como fonte os espíritos malignos.

A Bíblia relata que quando Moisés foi enviado por Deus ao Egito para falar a faraó acerca da libertação do povo hebreu, lançou sua vara ao chão e Deus a transformou em cobra. Entretanto, os magos egípcios fizeram o mesmo com seu poder (Êx 7.10-12). Os milagres foram iguais, mas a fonte deles era antagônica: Moisés invocava ao Deus verdadeiro, e os outros, cultuavam falsos deuses e espíritos malignos.

Assim, pode-se depreender que desejar milagres e não se preocupar com a "fonte de origem" é abrir a porta para a atuação do diabo. Sobre o poder do diabo em obrar prodígios a Palavra de Deus esclarece: "A vinda desse iníquo é segundo a eficácia de Satanás, com todo poder, e sinais e prodígios da mentira, e com todo engano da injustiça para os que perecem. Perecem porque não receberam o amor da verdade para se salvarem" (2Ts 2.9,10; grifo do autor).

Fé e superstição

"De sorte que a fé vem pelo ouvir, e o ouvir pela palavra de Deus" (Rm 10.17). Logo, a fé bíblica, a fé verdadeiramente cristã, é uma conseqüência de se ouvir e aceitar a Palavra de Deus. A superstição, elemento essencial das simpatias, não tem seu fundamento nas Escrituras Sagradas, se é que possui algum fundamento. As pessoas que se envolvem com simpatias, o fazem pela indicação de outro, e não se preocupam em analisar os poderes ocultos que se escondem por trás das mesmas.

Mesmo o uso de objetos, palavras e atos narrados na Bíblia podem se degenerar em superstição. Embora a Palavra de Deus se utilize desses elementos, tais elementos, no entanto, só têm valor quando baseados na fé. "Tudo o que não é por fé, é pecado" (Rm 14.23).

Temos de fazer distinção entre as narrações bíblicas e os princípios bíblicos. Quando Deus ordenou ao povo de Israel que desse voltas ao redor dos muros de Jericó e tocasse trombetas para que os muros caíssem (Js 6), não estava ensinando com isso um ritual de "como derrubar muros". A Bíblia é explícita ao dizer que "pela fé caíram os muros de Jericó" (Hb 11.30), e não pelo simples fato de serem rodeados. Houve uma ordem específica de Deus e uma obediência em fé correspondente, então Deus operou. A vitória veio de Deus pela fé, e não porque aquele era um ritual mágico.

Da mesma forma, o fato de Jesus ter cuspido na terra, feito lodo, passado nos olhos de um cego e este ter sido curado após lavar-se no tanque de Siloé, não significa que Jesus estava ensinando, com isso, um ritual para curar cegos (Jo 9.11). Aquele foi um milagre produzido pelo poder de Cristo mediante a fé, e não passos a serem seguidos pelos cegos que buscam cura. A Bíblia estava narrando um acontecimento, não ensinando um ritual para curar cegos.

É importante também mencionar a repetição de palavras que geralmente está inserida nas simpatias. Jesus condenou a prática das chamadas "rezas", quando disse: "E, orando, não useis de vãs repetições, como os gentios, que pensam que por muito falarem serão ouvidos. Não vos assemelheis, pois, a eles..." (Mt 6.7,8). Embora no dicionário orações e rezas sejam palavras sinônimas, na prática, porém, as rezas tornaram-se fórmulas mágicas com poder em si mesmas, e não representam nenhuma manifestação de fé, no sentido bíblico.

É bom ratificar que, biblicamente, fé significa confiar (crer) em Deus e em Cristo (Jo 14.1). Os cristãos oram e tomam atitudes confiando nas promessas divinas, e não em meras palavras e atos por si só. Os praticantes da simpatia não agem de acordo com um relacionamento pessoal com Deus ou Jesus.

O nome de Deus em vão

"SALMOS 37 e 38 - Leia os salmos 37 e 38 três vezes ao dia, durante três dias. Após tê-lo feito, publique o texto (salmo) no jornal no quarto dia e veja o que acontece. Faça dois pedidos difíceis e um impossível".

Tem-se popularizado o uso de Salmos, ou mesmo do nome de Jesus, como simpatia para a resolução de problemas. Todos os dias, os jornais trazem uma coluna de agradecimento ou de recomendação de pessoas que aconselham os leitores a usar o "salmo tal" ou a "palavra tal" para resolverem seus problemas e alcançarem alguma coisa.

"Não tomarás o nome do SENHOR teu Deus em vão; porque o SENHOR não terá por inocente o que tomar o seu nome em vão" (Êx 20.7). Embora alguns achem que, ao citarem a Bíblia, Deus ou Jesus valida este tipo de atitude, o oposto, no entanto, é que é verdade. As pessoas estão, de fato, querendo manipular a Deus por meio de palavras e ritos, quando a Bíblia ensina que isto é abominável aos seus olhos.

Nós, os cristãos, mais do que ninguém, reconhecemos o poder da Palavra de Deus. Mas este poder só é válido quando tomamos toda a Bíblia como regra de fé e conduta, e não quando extraímos trechos isolados e os usamos com um ritual, ou quando escrevemos um salmo ou outro trecho qualquer das Escrituras e os usamos como talismã. O salmo 91 é Palavra de Deus e, se creio nele e o aplico em minha vida, ele trará resultado. Entretanto, o mero pano ou papel onde ele está impresso não é um talismã para ser colocado atrás da porta para me proteger de espíritos malignos.

Temos de tomar cuidado para que a nossa fé não se deteriore em superstição e idolatria. Em Números 21.4-9, Deus ordenou a Moisés que fizesse uma serpente de bronze e colocasse sobre uma haste. Todos os israelitas que olhassem para ela seriam curados, e assim aconteceu. Todavia, com o passar dos dias, o povo de Israel, ao invés de colocar sua fé no Deus que os curava ao olharem para a serpente de bronze, puseram sua confiança na própria serpente e passaram a adorá-la e a oferecer-lhe incenso. Substituíram Deus por um dos instrumentos que Ele usou para abençoá-los. Por isso o rei Ezequias ordenou sua destruição: "Ele tirou os altos, quebrou as estátuas, deitou abaixo os bosques, e fez em pedaços a serpente de metal que Moisés fizera; porquanto até àquele dia os filhos de Israel lhe queimavam incenso, e lhe chamaram Neustã" (2Rs 18.4; grifo do autor).

Feitiçaria caseira

"A bruxaria está na moda, e é possível encontrar cada vez mais adeptos em São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba e Belo Horizonte. Suas fileiras exibem advogados, contadores e engenheiros [...] As feiticeiras modernas não gostam de ser chamadas de bruxas. Preferem o termo medieval wicca (pronuncia-se uíca), que deu origem à witch (bruxa em inglês). A palavra vem do alemão arcaico, wic, que significa dobrar, porque a mágica teria função de mudar ou 'dobrar' os acontecimentos". Mas, como diz Eddie Van Feu em seu livro Wicca - Rituais: "A verdade é que wicca é só um termo mais bonitinho para bruxaria".

Os que consideram exagero comparar simpatia e feitiçaria fariam bem em atentar para este assunto. Vejamos os rituais ensinados no mesmo livro sobre wicca :

Para proteger seu lar

"Deixe romãs abertas na janela da casa para trazer paz e harmonia para sua família", ou: "Faça uma cruz com dois pedaços de canela em pau e coloque-a escondida atrás da porta em sua escrivaninha".

Para ter amor

"Guarde uma rosa ou um amor-perfeito dentro de seu livro de poesia ou do seu romance favorito. Tenha-o sempre à cabeceira, pois este é um poderoso talismã".

Perguntamos: qual é, então, na prática, a diferença entre a simpatia e a bruxaria?

Ambas se apóiam em rituais, objetos e palavras para alcançar seus objetivos. Ambas utilizam elementos cristãos. Ambas definem apenas vagamente os poderes envolvidos na realização de seus "encantamentos". Em outras palavras, são usados apenas termos diferentes em relação ao mesmo tipo de prática. As forças malignas utilizadas pelos bruxos na História Antiga e Medieval continuam sendo acionadas por meio das chamadas "simpatias". O sincretismo cristão encobriu essa realidade, mas não pode mudar a essência do que realmente envolvem essas práticas.

Os historiadores são unânimes em admitir que o catolicismo português trazido para o Brasil era fortemente influenciado pela bruxaria européia. Como resultado, as mesmas práticas continuam sendo realizadas "camufladamente". Logo, simpatias nada mais são do que bruxarias caseiras efetuadas por pessoas que apenas querem resultados e estão dispostas a fazer qualquer coisa para alcançá-los.

Livrando-se da simpatia

"Andamos por fé, e não por vista" (2Co 5.7). Este é o fundamento da fé evangélica e bíblica. Quando o relacionamento diário com Deus se baseia em objetos, fórmulas, rituais e/ou palavras previamente estabelecidas, então ocorre um afastamento. Não importam quantas "graças" as pessoas digam que alcançaram por este meio, isto não prova que foi Deus quem realizou nada. O Novo Testamento rejeita completamente o uso de tais subterfúgios para se alcançar resposta divina, e o Velho Testamento só o faz quando é orientado por Deus e, mesmo assim, como símbolos espirituais de Cristo.

Não se engane, caro leitor, mexer com simpatia é mexer com o oculto, e todo benefício que resultar disso é aparente. "Bem-aventurado o homem que não anda segundo o conselho dos ímpios (receitas de simpatia e magia) [...] Antes tem o seu prazer na lei do Senhor, e na sua lei medita de dia e de noite. Será como a árvore plantada junto a ribeiros de águas, a qual dá o seu fruto na estação própria, e cujas folhas não caem. Tudo o que fizer prosperará" (Sl 1.1-3; parênteses do autor).

Notas:

Novo Aurélio - O Dicionário da Língua Portuguesa Século XXI, Ed. Nova Fronteira.
http://www.ifolclore.com.br/simpatias/intro.htm
http://www.ifolclore.com.br/simpatias/intro.htm
Classificados do jornal A tribuna, de Santos, de 22/03/03.
Revista Época, 21 de out. de 2002, p.86.
Eddie Van Feu: carioca que estreou no mercado editorial nacional com a revista Olha à frente!, Ed. Escala, onde assinou muitos outros materiais. Atualmente, edita a Talentos do Mangá e escreve uma bateria de livros de Wicca, além de produzir diversos roteiros para desenhistas de todo o Brasil.
Wicca - Rituais, Eddie Van Feu, Ed. Escala, p. 11.
Ibid., p. 23-4.

Fonte: www.cacp.org.br

SIMPATIAS DE ANO NOVO

Para dar sorte no amor use uma calcinha ou uma cueca nova, pois assim você estará deixando os mal-entendidos para trás.

Use roupa branca para ter paz no novo ano. A cor branca representa a Luz pura, a pureza de espírito e a bondade.

Use uma peça de roupa na cor amarela, pois esta cor representa o Ouro, a riqueza. Pode ser qualquer peça de roupa, desde um simples lenço até uma roupa íntima.

Alimentos que trazem boa sorte

Lentilhas, Nozes e castanhas: Estes alimentos representam a fartura. Basta consumir uma colher de sopa de lentilhas no Reveillon ou um pouco de nozes e castanhas e acreditar na simpatia.

Romãs: Para atrair dinheiro, parta uma romã em sete partes e coma cada uma, guardando as sementes em sua carteira. Nunca deixe ninguém saber que você mantém as sementes na carteira, pois isso pode atrair a inveja e cobiça alheia.

Carne de Porco: Dizem que o porco sempre fuça para frente, por isso a carne de porco deve estar presente na ceia, para garantir a fartura na mesa o ano inteiro. E evite o Peru, pois ele cisca para trás&

Sua casa também é importante

Lave a entrada da casa e dos cômodos com agua e sal grosso. Ou lave com água do mar.

Deixe os sapatos sempre com os pares corretos e com o bico virado para a rua. Não deixe roupas viradas do avesso.

Vá em uma Igreja e pegue um pouco de água benta. Jogue um pouco nos quatro cantos de cada cômodo de sua casa.

Dinheiro

Para ter sempre dinheiro no bolso, coloque uma cédula nova em seu sapato direito durante a virada do ano.

Para atrair riqueza para todos em sua casa, na virada do ano, na porta de sua casa, jogue para fora de sua casa algumas moedas, de diversos valores, sem remorso. E peça para que o dinheiro que você está jogando fora lhe retorne em dobro.

O primeiro negócio do ano, não importando qual seja, não deve nunca ser feito com alguém pobre. Sempre faça o primeiro negócio do ano com alguém que seja rico que esteja em melhor situação financeira do que você.

Simpatias

Para ter Felicidade no Novo Ano: Comece a usar, a partir do dia 28 de dezembro, um par de meias brancas novas. No quarto dia, coloque a meia do pé direito no sol. Depois atire-a longe -cuidado para ela não cair em nenhum lugar úmido. À meia-noite do dia 31 coloque a meia do pé esquerdo ao luar e depois jogue longe dizendo: Minhas meias foram longe. Não têm teia, nem idade. Se elas se foram, porque se foram, virá a felicidade. Assim seja .

Para afastar os Maus Fluídos: Na beira do mar, com a água na altura da canela, derrame pipoca ao longo de seu corpo, da cabeça aos pés. Deixe que o mar leve a pipoca, que é um elemento do orixá Omolu, senhor da vida, da cura e da saúde.

Para ter dinheiro o ano todo:Leve para a praia sete rosas brancas, sete moedas do mesmo valor, perfume de alfazema e um champanhe. Reze para Iemanjá e para os orixás que têm força no mar. Conte sete ondas e jogue as flores no mar. Em seguida, coloque o conteúdo do champanhe e ofereça aos orixás.

Lave as moedas com o perfume e coloque-as na mão direita. Mergulhe a mão na água e peça proteção financeira. Deixe o mar levar seis moedas e fique com uma, que deve ser guardada como amuleto durante o ano.

Para ter Prosperidade: Dia 06, Dia de Reis, coloque uma romã dentro de um saquinho confeccionado de pano vermelho e ofereça aos 3 Reis Magos: Baltazar, Gaspar e Melchior.

Pendure esse saquinho atrás da porta e deixe lá o ano inteiro.

As tradicionais simpatias com romãs para serem feitas no Dia de Reis:

1. No dia de Reis, coloque três caroços de romã dentro da carteira para ter dinheiro durante o Ano Novo.

2. No Dia de Reis, dia 6 de janeiro, pegar uma romã e retirar 9 sementes pedindo aos 3 Reis Magos, Baltasar, Belchior e Gaspar que nesse ano que se inicia você tenha muita saúde, amor, paz, dinheiro.

Depois pegue 3 das nove sementes e guarde num saquinho, papel, o que der. Essas sementes ficarão dentro da carteira para nunca faltar dinheiro.

As outras 3 você engole e as últimas três que sobraram você joga pra trás fazendo o pedido que desejar. É infalível. Você pode não ficar rico, mas na sua carteira vai ter sempre algum dinheiro.

Fonte: www.simpatias.org

domingo, 26 de dezembro de 2010

50 TOQUES PARA SER MAIS FELIZ NO ANO NOVO


1- Seja ético A vitória que vale a pena é a que aumenta sua dignidade e reafirma valores profundos. Pisar nos outros para subir desperta o desejo de vingança.

2- Estude sempre e muito. A glória pertence àqueles que têm um trabalho especial para oferecer.

3- Acredite no amor. Não somos feitos para a solidão. Se você está sofrendo por amor, está com a pessoa errada ou amando de forma ruim para você. Caso tenha se separado, curta a dor, mas se abra para outro amor.

4- Seja grato a quem participa das suas conquistas. O verdadeiro campeão sabe que as vitórias são alimentadas pelo trabalho em equipe. Agradecer é a melhor maneira de deixar todos motivados.

5- Eleve suas expectativas. Pessoas com sonhos grandes obtêm energia para crescer. Os perdedores dizem: "Isso não é para nós". Os vencedores pensam em como realizar seu objetivo.
6- Curta muito a sua companhia. Casamento dá certo para quem não é dependente. Aprenda a viver feliz mesmo sem alguém ao lado. Se não tiver com quem ir ao cinema, vá com a pessoa mais fascinante: você!

7- Tenha metas claras. A história da humanidade é cheia de vidas desperdiçadas. Amores que não geram relações enriquecedoras, talentos que não levam a carreiras de sucesso. Ter objetivos evita o desperdício de tempo, energia e dinheiro.

8- Cuide bem do seu corpo. Alimentação, sono e exercícios são fundamentais para uma vida saudável. Seu corpo é o seu templo. Gostar da gente deixa as portas abertas para que os outros gostem também.

9- Declare o seu amor. Cada vez mais devemos exercer nosso direito de buscar o que queremos (sobretudo no amor), mas atenção: elegância e bom senso são fundamentais.

10- Amplie os relacionamentos profissionais. Os amigos são a melhor referência em crises e a melhor fonte de oportunidades na expansão. Ter bons contatos é essencial em momentos decisivos.

11- Seja simples. Retire de sua vida tudo que lhe dá trabalho e preocupações desnecessários. Crie espaço para desfrutar mais a viagem da vida.

12- Não imite o modelo masculino de sucesso. Os homens fizeram sucesso à custa da solidão e da restrição aos sentimentos. O preço tem sido alto: enfartos. Sem dúvida, os homens têm mais a aprender com as mulheres. Preserve a sensibilidade feminina - é mais natural e lucrativa.

13- Tenha um orientador. Viver na neblina sabendo que o resultado só será conhecido quando pouco resta a fazer. Procure alguém de confiança, de preferência mais experiente e bem sucedido, para lhe orientar nas indecisões.

14- Jogue fora o vício da preocupação. Viver tenso e estressado está virando moda. Parece que ser competente e estar de bem com a vida são coisas incompatíveis. Bobagem! Defina suas metas, conquiste-as e deixe a neura para quem gosta dela!

15- O amor é um jogo cooperativo. Se vocês estão juntos, é para jogar no mesmo time. Ficar mostrando dificuldades do outro ou lembrando suas fraquezas para os amigos não tem graça.

16- Tenha amigos vencedores. Campeões falam de e com campeões. Perdedores só tocam na tecla dos perdedores. Aproxime-se de pessoas com alegria de viver e afaste-se de gente baixo-astral, que seca até espada-de-são-jorge.

17- Diga adeus a quem não o merece. Alimentar relacionamentos que só trazem sofrimento é masoquismo e atrapalha sua vida. Não gaste vela com mau defunto. Se você tiver alguém que não esteja lhe fazendo bem, empreste, venda, alugue, doe... e deixe espaço livre para um novo amor.
18- Resolva! As pessoas do próximo milênio vão limpar de sua vida as situações e os problemas são necessários. Saiba tomar decisões, mesmo as antipáticas. Você otimizará seu tempo e seu trabalho. A vida fluirá melhor.

19- Aceite o ritmo do amor. Assim como ninguém vai empolgadíssimo todos os dias para a trabalho, ninguém está sempre no auge da paixão. Cobrar de si e do outro viver nas nuvens é o começo de muita frustração.

20- Celebre as vitórias. Compartilhe o sucesso, mesmo pequenas conquistas, com pessoas queridas. Grite, chore, encha-se de energia para os desafios seguintes.

21- Perdoe. Se você quer continuar com uma pessoa, enterre o passado para viver feliz. Todo mundo erra, a gente também.

22- Tenha ídolos. Uma pessoa que você admira é uma fonte de inspiração. Ajuda a tomar decisões e a evitar desvios de rota.

23- Arrisque. O amor não é para covardes. Quem fica à noite em casa sozinho só terá de decidir que pizza pedir. E o único risco que correrá será o de engordar.

24- Tenha uma vida espiritual. Conversar com Deus é o máximo, especialmente para agradecer. Reze antes de dormir. Faz bem ao sono e à alma. Oração e meditação são forças de inspiração.

25- Planeje bem uma mudança. Os arquitetos gostam de conhecer bem as pessoas e discutir o projeto antes de começar a obra. Fazer tudo de supetão leva a desgastes desnecessários. A melhor ação é a análise do novo projeto de vida.

26- Mantenha seu rítmo apesar das mudanças. O caminhoneiro não deixa de viajar apesar das perspectivas de chuva. Nessa hora é preciso mais atenção; não perca o foco.

27- Namore muito antes de casar. De repente você encontra a pessoa perfeita e surge a vontade de morarem juntos, mas é legal a arte da convivência. A gente se machuca menos se tem tempo de conhecer e aceitar o outro.

28- Pare de procurar a pessoa perfeita. Já disse Aristóteles: "O amor é um sentimento dos seres imperfeitos".

29- Mantenha o romantismo. Sabe qual é o verdadeiro segredo de uma pessoa manter o clima de namoro depois de vinte anos de casamento? Ela tem um olhar que promete romance.

30- Pague o preço do seu sonho. Sonhar é o primeiro passo; depois vem o trabalho. Ninguém obtém nada de graça. O pódio é de quem aprender a lutar pelas suas metas. É melhor se esforçar pela realização do que viver com a dor da frustração.

31- Seja feliz todos os dias. A Felicidade não é feita de coisas gigantescas, mas de pequenos cuidados com você. Não se permita dormir sem alguns minutos de prazer. Ouça uma música, tome um banho gostoso, leia algo prazeroso.

32- Trabalhe com campeões. Batalhe para estar sempre perto deles, porque vão ensiná-lo a ser um campeão. Não chame de amigo alguém que estimule você a se acomodar.

33- Continue a ter vida própria depois do casamento. É importante manter seu crescimento, suas amizades, seu trabalho, seu esporte predileto. O preço de se anular é muito alto. Seu enriquecimento vai criar mais beleza a ser compartilhada.

34- Seja generosa com você. Errar faz parte da vida. Aprenda com os erros e não se torture. Descubra a delícia de ser como você é.

35- Saiba administrar seu dinheiro. Muitas mulheres ainda cometem o erro de não aprender a zelar pelo que ganham. O dinheiro não pode ser um tabu para casais e a mulher tem o direito e o dever de cuidar da sua própria segurança financeira.

36- Participe de uma atividade beneficiente. O melhor antidepressivo é ser voluntário em uma enfermaria de crianças com câncer. A sensação de ser útil garante a certeza de ser abençoada por Deus. Não é só dar dinheiro, mas participar da vida de alguém.

37- Poupe para a velhice. Cada vez mais a expectativa de vida aumenta e as aposentadorias diminuem. Cuidar do futuro é a parte de uma velhice feliz. Não é preciso guardar tudo que recebe, e sim gastar bem para que não falte.

38- Mantenha o alto-astral. Competentes são aqueles que mantêm uma postura positiva mesmo nas horas mais difíceis. Fechar a cara só piora a situação.

39- O sucesso é feito hoje. Quando você tiver consciência de que algo precisa ser feito, crie um fato irreversível a mudança e mãos à obra. Fracasso é adiar para depois.

40- Invista em você todos os dias. Quando a pessoa nasce, Deus lhe dá um potencial infinito, que poucos aproveitam. Pense em si mesma e trabalhe firme.

41- Tenha tempo para as pessoas importantes. Filhos maridos, pais e irmãos são pessoas que vão estar com você nos melhores e piores momentos da vida. Dar valor quando se perde pode ser mais fácil, mas é muito menos prazeroso.
42- Valorize mais a sabedoria que a genialidade. Gênios são importantes, mas nem todo mundo é magnífico. Cultivar a sabedoria, a criatividade e a informação vale mais do que ter um momento de genialidade.

43- Conheça o que é diferente. Se você é conservadora, procure alguém liberal. Se gosta da cidade, passe férias no mato. O próximo milênio vai exigir flexibilidade, portanto é bom aprender coisas diferentes.

44- Tenha um hobby. Música, dança, pintura, culinária, corrida. Qualquer hobby melhora nosso humor, nosso desempenho e nossa criatividade. Curta independentemente do trabalho e da família.

45- Procure ainda. Saber se virar sozinha é importante para ajustar suas metas, mas ao extremo, produz uma solidão desnecessária. Peça ajuda aos amigos e familiares ou, se for o caso, a um analista. Não queira ser auto-suficiente sempre. Ninguém é onipotente.

46- Crie pessoas independentes. O melhor caminho para a tranqüilidade e a economia de tempo é ter filhos e funcionários capazes de administrar suas vidas. Pessoas dependentes geram sobrecarga de trabalho.

47- Aprenda a trabalhar em velocidade. O rítmo do mundo vai acelerar, quem aprender a produzir sobre pressão levará uma vantagem infinita.

48- Converse francamente em situações nebulosas. Há pessoas que vêem dragões e inimigos que nem existem. Imaginam traições, afastam-se de amigos queridos. Uma conversa franca pode revelar o que é realidade ou fantasia.

49- Tenha vida própria. O maior erro estratégico das mulheres é usar quase toda a sua energia para cuidar dos outros, na empresa, no casamento e na família. crie um tempo para você, suas amizades, suas coisas.

50- Respeite o seu jeito de ser. O pinheiro não inveja a roseira, a cerejeira está feliz com suas frutas. Não deixe de ser você para ganhar aplausos. O sucesso é ser feliz, profundamente feliz !

Roberto Shinyashiki

Fonte: www.bethynha.com.br

sábado, 25 de dezembro de 2010

PREENCHENDO UM VAZIO CULTURAL


Em 1843, o escritor inglês Charles Dikens lançou a clássica história de Natal: ?A Christmas Carol?. (Conto de Uma Noite de Natal - com os 3 fantasmas etc).

A mensagem era a importância da boa vontade e caridade para toda a humanidade. O conto atingiu em cheio a sociedade americana e inglesa e mostrou aos membros da era Vitoriana, a importância e os benefícios de celebrar o Natal.

A família estava se tornando menos disciplinada e mais sensível às necessidades emocionais das crianças nos primeiros anos de 1800.O Natal oferecia uma data onde se podia dar presentes e atenção às crianças sem parecer que as estavam mimando. Os americanos começaram a celebrar o Natal com um perfeito feriado familiar.

Os velhos costumes começaram a ser abandonados. As pessoas procuraram recentes imigrantes católicos para saber como a data deveria ser celebrada.

Pelos próximos 100 anos os americanos construíram a tradição de Natal por conta própria incluindo, roupas, objetos e outros costumes, como a decoração de árvores, enviar cartões e dar presentes.

A maioria das famílias logo comprou a idéia de que estava celebrando o Natal como havia sido por séculos. Os americanos reinventaram o Natal para preencher as necessidades culturais de uma nação em crescimento.

De São Nicolau a Papai Noel

Na busca das raízes históricas de Santa Claus, é preciso ir fundo no passado para descobrir que Santa Claus é uma combinação de diversas lendas e criaturas mitológicas.

A base do Santa Claus cristão é o bispo Nicholas de Smyma (Izmir) onde, hoje é atualmente a Turquia.

Nicholas viveu no século 4 dc, quando o cristianismo estabelecia sua modernidade em Bizâncio (Turquia) e não em Roma, apesar de coexistirem Papas e líderes bizantinos. Ele era muito rico e generoso, sempre dando presentes para as crianças. Tinha o hábito de jogar presentes para as crianças pobres pelas janelas de suas casas.

A Igreja Ortodoxa Bizantina elevou St. Nicholas ao status de ?milagreiro?. Em sua honra, foi construída uma catedral na Rússia, hoje, a mais antiga do país. A Igreja Católica Romana honrou Nicholas por ele ter ajudado as crianças e os pobres, tornando-o santo das crianças e navegantes. Seu dia é o 6 de dezembro.

Posteriormente, com a adoção do .ather Christmas e a Reforma Protestante na Inglaterra, Nicolau foi perdendo sua posição de devoção cristã e aos poucos entrando num circuito paralelo mais voltado à caridade na sua data.

Com o uso mercantilista dado pelos oportunistas do marketing do início do século, passou de figura religiosa à figura comercial. Muitas vezes seu caráter religioso é relevado até por praticantes de outras religiões e de Santo, caridoso, passou a ser um mero objeto capitalista sendo explorado, vendido e comercializado em milhares de formas e produtos diferentes, mas até hoje, conserva as pesadas roupas de inverno e cores vencedoras - vermelho e branco - mesmo nos tórridos natais tropicais.

25 de dezembro foi aproveitado comercialmente, para passar de um feriado religioso, de louvor e introspecção, para apenas uma data mercantilista, onde todos se vêem compelidos, por uma tradição que julgam ser religiosa e milenar, a gastar seu décimo terceiro salário no mercado.

Como Christmas se tornou Natal?

Nas áreas Protestantes do centro e nordeste da Alemanha, St. Nicholas ficou conhecido como Weinachtsmann. Na Inglaterra como .ather Christmas, a partir de 1500.

Quando fez seu caminho junto com os imigrantes holandeses para os EUA, foi referido como Sinter Klass.

Como Christmas (referente a Cristo) e Santa Claus se tornaram Natal e Papai Noel?

Bem, Natal é fácil, pois em italiano, onde fica a sede da Igreja, a festa é chamada e il Natale o ?a aniversário (dia do nascimento)?. Em espanhol é Navidad.

Sinter Klass é um apelido de Sint Nikolaas (o holandês para São Nicolau). .oi ?inglesado? para Santa Claus.

Mas e o tal do Papai Noel?

Essa é mais difícil. Parte vem do francês, onde o Natal é chamado de Noel, que vem da frase ?les bonnes nouelles?, ?as boas novas?, tradicional do Novo Testamento.

E o ?Papai? vem da tradição inglesa de .ather Christmas ?Papai Christmas? que em francês virou Pêre Noël - Papai Noel.

Mas ainda tem mais um!

Não é só o Santa Claus americano do século XIX que foi inspirado em São Nicolau para aparecer na época de Natal. Outras figuras similares são populares em outras partes do mundo.

Christkind ou Kris Kringle entrega presentes para as crianças na Suíça e Alemanha. Significa ?Christ Child? em inglês ou ?Cristo Criança? e é uma figura tipo anjo que acompanha São Nicolau em sua missões de Natal. Por favor esqueça os filmes de Hollywood que dão o nome próprio de ?Kris Kringle? ou ?Mister Kringle?, ao Santa Claus quando ele se mistura com as pessoas normais!!!

Num filme lançado em 2002, ?Meu Papai é Noel?, com Tim Allen, temos a maior pisada de bola de tradução da história do convívio do cinema americano com os péssimos tradutores para o português. Em um determinado momento, Santa Clause (como é chamado no filme) está ao lado de um de seus duendes, olhando de binóculo a chegada da Mamãe Noel. O duende fala: ?Hei, it?s miss Santa Clause?, o que significa apenas: ?Ei, é a Mamãe Noel?, mas o tradutor sapecou: ?Olhe! É a cláusula de Mamãe Noel?... Em inglês ?clause? é realmente ?cláusula?.

Na Escandinávia, um elfo mágico chamado Jultomten, entrega presentes num trenó puxado por bodes...

A lenda inglesa também fala que .ather Christmas ?Papai Christmas? visita cada casa na véspera do Natal.

Pêre Noël é o responsável pelos presentes na .rança.

Na lendas russas, existe uma velha, chamada Babouschka (a mesma daquelas bonequinhas que ficam umas dentro das outras e significa vovó) que deu informações errada para alguns sábios, que não conseguiram chegar a Belém e encontrar Jesus, quando ele nasceu.

Depois, ela se sentiu culpada mas não conseguiu achar os homens ou desfazer o engano. Neste dia, 5 de janeiro, ela visita as crianças russas deixando presentes perto de suas camas, na esperança de que alguma delas seja o bebê Jesus e que ela será perdoada.

Na Itália há outra lenda sobre uma mulher chamada La Befana, que voa numa vassoura e joga os presentes pelas chaminés para as crianças boas.

O quebra-cabeças cultural que formou o Natal

O Natal como conhecemos hoje é uma invenção da era Vitoriana, ao redor 1860, tendo uns 140 anos de ?tradição milenar?. É o feriado mais celebrado no mundo e o resultado da fusão de diferentes tradições de diferentes regiões, de culturas religiosas e seculares.

Suécia - casas iluminadas

A maior parte dos países da Escandinávia honra Santa Lúcia (St. Lucy) a cada ano no dia 13 de dezembro. A celebração do dia de Santa Lúcia começou na Suécia, mas se espalhou para a Dinamarca e .inlândia em meados do século XIX. Nestes países esta data marca o início do Natal, também referido como ?pequeno Yule?.

Tradicionalmente, a filha mais velha de cada família, acorda mais cedo e vai acordar os outros membros da família, com um longo vestido branco com uma faixa vermelha e com um coroa com 9 velas acesas.

A iluminação de casas e ruas no Natal também vem dos países de inverno rigoroso para facilitar a visualização do caminhos durante os dias mais escuros e com menos visibilidade do ano, devido às nevascas.

A ciência e o Papai Noel - .im do Mito

Em 1925, quando, cientificamente, se definiu que as renas não podiam viver no Polo Norte, jornais americanos, revelaram que Santa Claus vivia, na realidade, na Lapônia, parte da .inlândia, onde não faltam renas.

Em 1927, num programa de rádio estatal finlandês, o locutor revelou que Santa Claus vivia na aldeia de Korvatunturi.
Em 1931 a Coca-Cola usou Santa Claus em suas propagandas e o popularizou ainda mais nos desenhos do ilustrador Haddom Sundblom que foram usados até 1964 e recentemente começaram a ser reeditados por falta de coisa melhor.

Curiosamente, os desenhos de Sundblom são auto-retratos: é a cara dele mesmo. Outros artistas e outros produtos usavam Santa Claus nas suas propagandas muito antes da Coca-Cola.

De 1931 a 1964 diversas empresas usaram a imagem de Santa Claus e não havia nenhum monopólio da Coca-Cola. Outros artistas fizeram desenhos até mais interessantes que os de Sundblom. (vários deles estão em nosso site http://jipemania.com/coke)

Podemos achar horrível a idéia de um Papai Noel fumante, mas e no conto original de Moore, ele fuma cachimbo. Só que também é um elfo pequeno, com um trenó em miniatura e mini-renas. Seu tamanho foi a solução de Moore para que ele entrasse pela chaminé.

Durante a Segunda Guerra Mundial, a Coca-Cola teve a sensibilidade de tirar a Santa Claus e substituí-lo pelos soldados em combate e os que retornavam para casa. Outras marcas não: o Santa continuou a divulgar produtos no Natal, mesmo com os homens americanos sendo trucidados mundo a fora.
Nas imagens do site, você poderá ver coisas horrorosas como Santa Claus fumando, anunciando até mesmo cigarros Camel e Luky Strike. Que presentão de Natal, hein? Câncer de pulmão, mas com sabor, baixos teores etc e tal...

Rudolf a nona rena

A rena de nariz vermelho é a mais famosa de todas as renas e nasceu uns 100 anos depois das outras oito renas voadoras. .oi criação de Robert L. May, que trabalhava na loja de departamentos Ward. Os nomes corretos das outras você pode ver no texto original de 1822, na próxima página.

Em 1939 May escreveu uma história com o tema de Natal para atrair mais clientes para a loja. .icando dentro do antigo tema de Moore, ele escreveu ?Twas the Night Before Christmas?, onde contava a história de Rudolf, uma jovem rena que tinha sido desprezada pelas outras devido ao seu grande nariz vermelho. .oram 117 anos depois do poema de Moore.

Mas quando houve nevoeiro na noite de Natal e Santa não conseguia ir a lugar nenhum, Rudolf liderou as outras 8 renas, iluminando o caminho com seu nariz vermelho e luminoso.

Em 1939, a Montgomery Ward vendeu 2,5 milhões de cópias dessa história. Quando foi reeditado em 1946, vendeu outros 3,5 milhões de exemplares.

Em 1949, Jonhy Marks escreveu uma música sobre a história que foi gravada por Gene Autry e vendeu, imediatamente 2 milhões de discos. Desde então, a história já foi traduzida para 25 línguas e filmada para a TV em 1964, é passada quase todo o ano até hoje.

O panetone

Como tudo sobre o Natal há várias versões que apontam para o mesmo lugar na Itália. Na primeira delas, que nos parece a errada, Ughetto Degli Atellani, um falcoeiro milanês de origem nobre, se apaixonou por Adalgisa, filha de um modesto confeiteiro chamado Toni. Para conquistar o coração da amada, o cavalheiro fingiu ser confeiteiro e inventou um pão delicioso, acrescentando à farinha e à levedura, manteiga, ovos, uvas passas e cascas de laranja e limão confeitadas. O duque de Milão, Ludovico Il Moro Sforza (1452-1508) autorizou o casamento, que foi celebrado na presença de Leonardo da Vinci e estimulou a fabricação do novo pão, o qual todos chamavam de "pane di Toni".

Na segunda versão o cozinheiro do Duque de Sforza teria tido problemas com a sobremesa de Natal e serviu um pão docê com recheio de frutas preparado por um de seus ajudantes de cozinha chamado Toni. O cozinheiro teria batizado o pão com o nome do ajudante.

A terceira versão parece a mais correta e vem da mesma época, quando a família italianas preparavam um pão especial para o Natal, um pão de luxo que no dialeto milanês se chamava ?pane de ton?. Mas o que conhecemos hoje surgiu em 1919, logo após o fim da Primeira Guerra Mundial, pelas mãos do confeiteiro, também milanês, Angelo Motta, até hoje uma das marcas mais conhecidas na Itália.

Ele alterou a receita da massa e deu a forma tradicionald e cúpula. Para isso a massa deve ficar em repouso durante 20 hora antes de ir ao forno e ganhar sua consistência macia e aerada.

Bem esse é o fim da história do Natal, pelo menos por enquanto...

José Roitberg

Fonte: jipemania.com

sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

O que é o Natal?




A celebração do Natal antecede o cristianismo em cerca de 2000 anos. Tudo começou com um antigo festival mesopotâmico que simbolizava a passagem de um ano para outro, o Zagmuk. Para os mesopotâmios, o Ano Novo representava uma grande crise.

Devido à chegada do inverno, eles acreditavam que os monstros do caos enfureciam-se e Marduk, seu principal deus, precisava derrotá-los para preservar a continuidade da vida na Terra.

O festival de Ano Novo, que durava 12 dias, era realizado para ajudar Marduk em sua batalha.

A tradição dizia que o rei devia morrer no fim do ano para, ao lado de Marduk, ajudá-lo em sua luta. Para poupar o rei, um criminoso era vestido com suas roupas e tratado com todos os privilégios do monarca, sendo morto e levando todos os pecados do povo consigo. Assim, a ordem era reestabelecida. Um ritual semelhante era realizado pelos persas e babilônios. Chamado de Sacae, a versão também contava com escravos tomando lugar de seus mestres.

A Mesopotâmia inspirou a cultura de muitos povos, como os gregos, que englobaram as raízes do festival, celebrando a luta de Zeus contra o titã Cronos. Mais tarde, através da Grécia, o costume alcançou os romanos, sendo absorvido pelo festival chamado Saturnalia (em homenagem a Saturno). A festa começava no dia 17 de dezembro e ia até o 1º de janeiro, comemorando o solstício do inverno. De acordo com seus cálculos, o dia 25 era a data em que o Sol se encontrava mais fraco, porém pronto para recomeçar a crescer e trazer vida às coisas da Terra.

Durante a data, que acabou conhecida como o Dia do Nascimento do Sol Invicto, as escolas eram fechadas e ninguém trabalhava, eram realizadas festas nas ruas, grandes jantares eram oferecidos aos amigos e árvores verdes - ornamentadas com galhos de loureiros e iluminadas por muitas velas - enfeitavam as salas para espantar os maus espíritos da escuridão. Os mesmos objetos eram usados para presentear uns aos outros.

Apenas após a cristianização do Império Romano, o 25 de dezembro passou a ser a celebração do nascimento de Cristo. Conta a Bíblia que um anjo, ao visitar Maria, disse que ela daria a luz ao filho de Deus e que seu nome seria Jesus. Quando Maria estava prestes a ter o bebê, o casal viajou de Nazaré, onde viviam, para Belém a fim de realizar um alistamento solicitado pelo imperador, chegando na cidade na noite de Natal. Como não encontraram nenhum lugar com vagas para passar a noite, eles tiveram de ficar no estábulo de uma estalagem. E ali mesmo, entre bois e cabras, Jesus nasceu, sendo enrolado com panos e deitado em uma manjedoura (objeto usado para alimentar os animais).

Pastores que estavam com seus rebanhos próximo ao local foram avisados por um anjo e visitaram o bebê. Três reis magos que viajavam há dias seguindo a estrela guia igualmente encontraram o lugar e ofereceram presentes ao menino: ouro, mirra e incenso, voltando depois para seus reinos e espalhando a notícia de que havia nascido o fiho de Deus.

A maior parte dos historiadores afirma que o primeiro Natal como conhecemos hoje foi celebrado no ano 336 d.C.. A troca de presentes passou a simbolizar as ofertas feitas pelos três reis magos ao menino Jesus, assim como outros rituais também foram adaptados.

Fonte: www.terra.com.br

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Essência do Natal


O presente é a junção das duas realidades do Natal: a
material e a espiritual. O ato de presentear não rouba a essência
da festa

O que foi que restou de todas as lendas que perpassam a história de Papai Noel e da mensagem de simplicidade e amor implícita nos fatos relacionados ao nascimento e à vida de Jesus? Talvez o desassossego dos centros de compra lotados, na véspera da data, mostrem um pouco do esquecimento da essência da festa. Uma deturpação da mensagem original.

Mas a questão é um pouco mais complexa. Ao longo das últimas décadas, a essência do Natal não vem se perdendo por causa do consumismo. A data é que congrega duas realidades: uma mais material, antropológica, do ser humano, e outra mais espiritual, a religiosa. "Natal e a junção das duas. O presente é também feito das duas realidades. É a abertura para o outro, que você concretiza na vida cotidiana, sendo que o laço social é feito pela troca, não de presentes, mas ele é símbolo da troca fundamental que é a família", analisa o professor Pierre Sanchis, doutor em sociologia pela Universidade de Paris. Para ele, a troca de presentes é a grande tradição que sobrou no simbolismo de todos os povos.

Segundo ele, os documentos oficiais da igreja combatem muito a deformação da data, falando da degradação de um tradição humana e sua transformação em uma simples exibição consumista. "Mas você sabe que essas proclamações tem um poder muito limitado. Muito difícil resistir a um fenômeno de civilização. O mercado virou um fenômeno", diz.

Entretanto, o estudioso acredita no resgate do lado espiritual, já que em todas as épocas a lição fundamental do Natal foi submetida a pressões que a degradavam, como a festa dos burros e dos loucos, na Idade Média. "É um remoer da tradição que não deixava transparecer o seu valor essencial, o seu valor autêntico. É uma reinterpretação social, não necessariamente popular, que obedecia a outras orientações que não as propriamente religiosas", explica.

Segundo ele, o que acontece com o consumo de hoje é mais uma manifestação daquilo que aconteceu em outros momentos históricos do cristianismo. "Quando começou a celebração, é muito provável que muita gente celebrava o nascimento de Cristo e de Mitra", diz. De acordo com o estudioso, a pureza nunca é assegurada no decorrer da história. E é graças a isso que a data se perpetua. "Se fosse absolutamente puro, acabaria mais ou menos cedo. Seria próprio só de uma elite espiritual. São suas impurezas sociais que lhe permitem se alastrar. Que fazem dele um fato social denso. Um rito social não tem uma dimensão só. É graças ao relacionamento destas dimensões que muda o superficial, guardando uma estrutura de sentido", conclui.

SOLIDARIEDADE

Além do lado superficial do consumismo e de uma abordagem reflexiva sobre o Natal, estão as manifestações de solidariedade que aumentam consideravelmente nesta data. Religiosas ou não, há pessoas que querem revitalizar a oferta de dádivas e presentes nesta época do ano.

Pierre Sanchis acredita que este lado está prestes a ser resgatado com a abertura de outros grupos religiosos à festa cristã. "Fiquei sabendo outro dia de uma comunidade budista que por ocasião do Natal recebe todas as crianças da cidade e faz uma grande celebração de unidade social entre budistas e cristãos. Eles não têm o Natal. Celebram o nascimento de Buda em abril. Adotando esse costume, é um gesto de se unirem à sociedade brasileira, à visão sagrada da sociedade, através desse presente às crianças", diz.

Isto não significa que todos os grupos sociais estejam abertos à data. Há os fundamentalistas, que se recusam a introduzir o rito em sua cultura. "Entretanto, mais ou menos no mundo inteiro, mesmo em lugares onde a religião dominante não é o cristianismo, todas as sociedade dão um jeito de celebrar de uma maneira ou de outra o Natal em torno da idéia de festa, família, criança e presente. A nova vida começa é aí", completa.

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

DECORAÇÃO DE NATAL


Natal é tempo de luz e nada melhor do que velas para ilustrar esta data. Você pode utilizar velas de vários formatos, é só privilegiar as cores tipicas desta época do ano.

E nada de colocar as velas de qualquer jeito em cima da mesa. Faça arranjos utilizando folhas e laços. Valorize o local onde elas serão colocadas e tenha sempre em mente o conjunto da sua decoração.

DECORAÇÃO TEMÁTICA - NATAL

A palavra Natal quer dizer nascimento, e originou-se do latim. É uma festa sem fronteiras. É o culto do nascimento, da bondade, da ternura, da vida e da reflexão.

O Natal é sinônimo de aconchego familiar e pede decoração especial!

Se receber é uma arte, decorar um ambiente também. É preciso mais do que instinto e conhecimento para adequar um local ao gosto de seus efetivos usuários e visitantes. Como em todas as artes, é uma tarefa que requer aguçado sentido de percepção e de doação.

Para a decoração de Natal não poderia ser diferente e ainda é preciso uma sensibilidade redobrada para extrair do ambiente as informações exatas e torná-lo agradável sem exagero, já que diferentes pessoas da família vão usufruir dele.

Algumas coisas são básicas para o Natal e qualquer pessoa pode fazer uma decoração para a sua casa sem medo de errar. Como as cores, por exemplo, o verde e o vermelho são tradicionais e em qualquer circunstância estarão sempre corretos. O verde simboliza renovação, regeneração e esperança e o vermelho fogo, poder e amor divino. Outra opção também bastante utilizada é a aplicação do dourado que está associado ao sol, a luz e a sabedoria, mas esta já requer maiores cuidados para não pender ao exagero.

Guirlanda na porta, anjos na árvore ou sobre a mesa e velas espalhadas nos aparadores também são de praxe e niguém vai pecar com estes detalhes. Para dar um toque de requinte ao visual é só usar taças ou vasos de vidro para colocar as velas. E se você não quer errar de maneira nenhuma, descarte as opções de flores artificiais que não transpareçam naturalidade e sejam cheias de gliter ou imitação de orvalho.

E na mesa da ceia nada de extravagância, já bastam as delícias da culinária natalina. A toalha branca é sempre uma boa opção.

Os bichos de pelúcia também são bastante utilizados na decoração natalina, principalmente na árvore de Natal. Papai noel, bonecos de neve e ursos de diferentes cores, formas e tamanhos. Pendurados nas árvores junto a laços, estrelas e botinhas de tecido são um verdadeiro espetáculo para a visão e a imaginação infantil, eles dão um ar de união familiar ao ambiente, típico do espírito de Natal.

Outra opção é substituir a bola de natal antiga por uma de isopor revestida de tecido. Tanto pode se utilizar uma mistura de diferentes tons e estampas,quanto seguir um mesmo padrão aliado a laços que complementem o visual da árvore.

DICAS

Cuidado na hora de escolher sua árvore de Natal. Observe se os galhos são firmes, pois se forem moles não vão suportar o peso dos enfeites e vão abaixar.

Presépio não substitui a árvore de Natal, ela é essencial. Mas ele complementa a decoração além de ser charmosos e simbólico.

Para manter a decoração da árvore sempre nova gastando pouco, compre enfeites neutros, com gliter, e troque sempre os laços de fita por outra cor. Será a mesma árvore, mas com aspecto novo.

Em ambientes pequenos como apartamentos e escritórios ou mesmo casas menores opte por uma árvore pequena de mesa ou aparador, com cerca de 50 a 60cm, mas não deixe de enfeitar o ambiente.

A maioria das pessoas procura por detalhes picados nas compras para composição da decoração de Natal. Mas para grandes reuniões famíliares é uma boa medida optar por um projeto de decoração específico, que considera aspectos que as pessoas comuns não levam em conta como o aproveitamento de espaço.

A árvore de Natal deve ser montada a partir do 1º domingo do Advento (pelo calendário católico romano), que é normalmente entre o último domingo de novembro e o primeiro domingo de dezembro. E deve ser desmontada no dia 6 de janeiro (Epifania do Senhor ou dia de Reis).

Tome a iniciativa. Não espere que outra pessoa espalhe a alegria do Natal.

Seja o primeiro a desejar a todos que encontrar um Feliz Natal.

Aproveite o Natal para reatar a amizade com um amigo ou parente.

Tire uma foto da família todo ano no mesmo lugar, na noite de Natal; pode ser perto de uma árvore favorita do seu jardim. No futuro, você terá um registro maravilhoso do crescimento da sua família, bem como do crescimento da árvore.

Quando estiver na companhia de uma criança e vir uma luz vermelha piscando no céu, pergunte-lhe:"Será que é o trenó de Papai Noel?"

Pendure os cartões de Natal na porta da sala, para que você possa vê-los toda vez que entrar na sala.

Encha sua casa com fragrância de cravo, casca de laranja e canela.

Não se desespere se estiver com pouco dinheiro. Seja criativo. Se olhar para trás, você descobrirá que os Natais nos quais você tinha menos dinheiro foram os que deixaram as melhores lembranças.

Coloque o cartão de Natal que vier de mais longe em um local de destaque.

Experimente pelo menos uma nova receita e uma nova idéia de decoração.

Personalize seus cartões de Natal com observações escritas à mão.

Faça algumas refeições iluminadas apenas pelas luzes da árvore de Natal.

Espere até a manhã de Natal para colocar o menino Jesus no presépio.

Lembre-se de que a melhor solução para o desânimo, no Natal, é fazer algo especial por outra pessoa.

Conte aos seus filhos como era o Natal quando você tinha a idade deles.

Nunca recuse uma sobremesa no Natal.

Recorte os cartões de Natal bonitinhos para usar como etiquetas de presentes.

Aprenda a dizer Feliz Natal em várias línguas.

Na manhã de Natal, telefone para alguns parentes que moram longe e deseje-lhes Feliz Natal.

Ouça músicas de Natal em casa, no escritório e no carro para manter o espírito natalino.

Na semana que antecede o Natal, converse com seus filhos sobre o primeiro Natal e sobre como o nascimento de Jesus afetou o mundo.

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

RECEITA DE BOLO DE NATAL




Ingredientes:

1 copo de Vinho da Madeira
250 g de ameixas pretas
500 g de farinha
500 g de açúcar
125 g de cidra
125 g de miolo de amêndoa
1 colher chá de bicarbonato de sodio
raspas de 1 limão
1 noz moscada ralada
3 ovos
1/2 L de leite
250 g de margarina
250 g de banha

Ponha as ameixas de molho no vinho de véspera. No próprio dia, descaroce-as e reduza-as a purê com o vinho. Junte os outros ingredientes e mexa bem. Unte e polvilhe uma forma grande e leve ao forno durante cerca de 1 hora em fogo médio.

RECEITA DE BROINHAS DE NATAL

Ingredientes:

1/2 kg de purê de batata doce
1/2 kg de açúcar
350 g de açúcar
raspa de laranja
100 g de coco ralado
4 colheres de sopa de pão ralado
3 ovos
1 gema
200 g de farinha de trigo
200 g de farinha de milho
100 g de amêndoas moídas
sal

Cozinhe a batata doce, descasque e faça um purê. Leve ao fogo com as 500 g de açúcar mexendo sempre para não queimar. Tire do fogo e deixe esfriar. Junte o resto dos ingredientes misturando bem.

Quando tiver como massa molde umas broas, coloque numa forma untada, pincele com a gema de ovo batido e leve ao forno até dourar.

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

POEMA DE NATAL


VINÍCIUS DE MORAES

Para isso fomos feitos:
Para lembrar e ser lembrados,
Para chorar e fazer chorar,
Para enterrar os nossos mortos -
Por isso temos braços longos para os adeuses,
Mãos para colher o que foi dado,
Dedos para cavar a terra.
Assim será a nossa vida;
Uma tarde sempre a esquecer,
Uma estrêla a se apagar na treva,
Um caminho entre dois túmulos -
Por isso precisamos velar,
Falar baixo, pisar leve, ver
A noite dormir em silêncio.
Não há muito que dizer:
Uma canção sôbre um berço,
Um verso, talvez, de amor,
Uma prece por quem se vai -
Mas que essa hora não esqueça
E que por ela os nossos corações
Se deixem, graves e simples.
Pois para isso fomos feitos:
Para a esperança no milagre,
Para a participação da poesia,
Para ver a face da morte -
De repente, nunca mais esperaremos...
Hoje a noite é jovem; da morte apenas
Nascemos, imensamente.

Fonte: www.4shared.com

domingo, 19 de dezembro de 2010

ORAÇÃO DE SÃO FRANCISCO DE ASSIS


Esta oração, embora frequentemente atribuída a São Francisco não foi escrita quase certamente por ele.

Parece que data do início do século passado, e seu autor é desconhecido.

Encontrou-se em Normandia em 1915, escrita sobre o contrário de um cartão sagrado de São Francisco

Senhor,

Fazei-me instrumento de vossa paz.

Onde houver ódio, que eu leve o amor;

Onde houver ofensa, que eu leve o perdão;

Onde houver discórdia, que eu leve a união;

Onde houver dúvida, que eu leve a fé;

Onde houver erro, que eu leve a verdade;

Onde houver desespero, que eu leve a esperança;

Onde houver tristeza, que eu leve a alegria;

Onde houver trevas, que eu leve a luz.

Ó Mestre,

Fazei que eu procure mais consolar, que ser consolado;

compreender que ser compreendido;

amar, que ser amado.

Pois é dando que se recebe,

é perdoando que se é perdoado,

e é morrendo que se vive para a vida eterna.

Amém


No dia 4 de outubro comemoramos o dia de São Francisco de Assis.

A "Oração pela Paz", atribuída a São Francisco

Quem não conhece a oração que principia com as palavras: Senhor, fazei de mim um instrumento de vossa paz?

E quem não a aprecia também?

Conhecida como Oração pela Paz, Oração do Amor, Oração simples ou, ainda, Oração de São Francisco, ela tem um sabor todo ecumênico e expressa conteúdos de tanta sinceridade e beleza que encontra ressonância obrigatória no coração das pessoas…

…"Seus conteúdos correspondem às aspirações íntimas dos melhores cristãos de nosso tempo" (1) . Nós gostamos de rezá-la e, certamente, Francisco aprecia que a rezemos. Entretanto, a mencionada oração não é de São Francisco, é apenas atribuída a ele.

Nem se trata de uma oração tão antiga, embora sejam antigas as suas raízes. Foi certamente atraídos por sua simplicidade, pertinência e beleza que os franciscanos se afeiçoaram a ela e, inadvertidamente, a adotaram como própria. Por razões semelhantes, ela foi atribuída a São Francisco de Assis. Quanto ao modo como isso aconteceu, é o que veremos a seguir, adiantando, porém, que não é grande coisa o que sabemos a respeito desse apócrifo, tão célebre quanto misterioso (2).

1. Como surgiu essa oração

Parece que surgiu pouco antes da Primeira Guerra Mundial. Suas origens são obscuras, seu autor é desconhecido, e parece que poucos lhe deram importância logo ao aparecer. "A Oração da Paz apareceu pela primeira vez em 1913 numa pequena revista local da Normandia, na França. Vinha sem referência de autor, transcrita de uma outra revista tão insignificante, que nem deixou sinal na história, pois não foi encontrada em nenhum arquivo da França" (3).

A Oração pela paz, entretanto, ganhou notoriedade depois que foi publicada no Osservatore Romano, em 20 de janeiro de 1916 e, alguns dias depois, em 28 de janeiro do mesmo ano, no conhecido diário católico francês La Croix. Em 1917, foi divulgada com um título chamativo: "Oração para uso dos que querem colaborar na preparação de um mundo melhor" (4).

Quem a enviou ao Papa Bento XV, juntamente com outras orações pela paz, foi o Marquês de la Rochetulon, fundador do semanário católico Souvenir Normand. Nessa época, em toda parte faziam-se orações instantes pela paz, uma vez que a Europa inteira debatia-se com os fantasmas medonhos da Primeira Guerra Mundial (1914-1918).

Pelos termos de agradecimento que o Cardeal Gasparri enviou, em nome do Papa, ao Marquês de Ia Rochetulon, soube-se que aquelas orações, inclusive a que seria depois atribuída a São Francisco, eram todas dirigidas ao Sagrado Coração de Jesus, uma devoção que vinha se expandindo com muito fervor desde o final do século XIX e com a qual "se pretendia resgatar uma dimensão esquecida no cristianismo tradicional: a riqueza da santa humanidade de Jesus, de seu amor incondicional, de sua misericórdia, de seu enternecimento para com todos, especialmente para com os pobres e os pecadores, as crianças e as mulheres". (5 )

A partir desse contexto, a Oração pela Paz ganhou asas e correu mundo, recebendo acolhida entusiasta de cristãos e mesmo de seguidores de outras religiões, que nela encontravam a expressão inspirada de ancestrais desejos de união e de paz.

2. Como foi atribuída a São Francisco

Temos algumas pistas que indicam como foi que essa oração anônima chegou a encontrar em São Francisco de Assis um pai adotivo e suposto autor. Não se trata de falsificação fraudulenta e sim de uma casualidade histórica, que, entretanto, contribuiu para tornar manifesta uma notável afinidade existente entre a Oração pela Paz e a espiritualidade franciscana.

Um primeiro passo se deu em torno de 1913, quando a oração foi estampada no verso de um pôster devocional que trazia a figura de São Francisco de Assis. O texto tinha simplesmente como título: "Oração pela Paz". Tempos depois, por volta de 1936, um pôster semelhante foi publicado em Londres com a mesma oração, traduzida em inglês, no verso. Desta vez, porém, ela foi atribuída diretamente ao santo representado na gravura, e recebeu como título: "Uma Oração de São Francisco". Com isto firmou ainda mais sua popularidade. Outro passo foi quando o senador americano Tom Connally leu a oração, atribuída a São Francisco, na Conferência da ONU, em 1945. Note-se que em todas as outras edições anteriores, o texto é anônimo, mesmo em revistas franciscanas, inclusive no ano do VII Centenário de São Francisco, em 1926. (6)

Leonardo Boff conta um episódio semelhante, ocorrido pouco depois da publicação da Oração pela Paz em Roma. Um franciscano que visitava a Ordem Terceira Secular de Reims, na França, mandou imprimir um cartão tendo de um lado a figura de São Francisco com a regra da Ordem Franciscana Secular na mão e, do outro, a Oração pela Paz com a indicação da fonte: Souvenir Normand. No final, uma pequena frase dizia: "essa oração resume os ideais franciscanos e, ao mesmo tempo, representa uma resposta às urgências de nosso tempo". Essa pequena frase, comenta L. Boff, permitiu que a oração deixasse de ser apenas Oração pela Paz para ser também conhecida como Oração de São Francisco, ou Oração da Paz de São Francisco de Assis. "Assim, essa oração passou a ser, simultaneamente, um resumo da devoção ao Sagrado Coração de Jesus e da espiritualidade franciscana" (7).

Pois há um parentesco entre a Oração pela Paz e a espiritualidade franciscana, permitindo que uma se reconheça no espelho da outra. Talvez, L. Boff exagere na fundamentação desse parentesco:

"Existe uma espiritualidade franciscana difusa no espírito de nosso tempo, nascida da experiência de Francisco, de Clara e de seus companheiros [ … ). A Oração pela Paz, também chamada Oração de São Francisco, constitui uma das cristalizações desta espiritualidade difusa. Ela não provém diretamente da pena do Francisco histórico, mas da espiritualidade do São Francisco da fé. Ele é seu pai espiritual e por isso seu autor no sentido mais profundo e abrangente da palavra. Sem ele, com certeza, essa Oração pela Paz jamais teria sido formulada nem divulgada e muito menos teria se imposto como uma das orações mais ecumênicas hoje existentes. Ela é rezada pelos fiéis de todos os credos e por professantes de todos os caminhos espirituais" (8).

3. O conteúdo dessa oração

Além do alto teor evangélico da oração, os estudiosos identificam nela ressonâncias de temas clássicos da espiritualidade medieval, especialmente agostiniana, haja vista, as obras de misericórdia espiritual, o esquema do combate aos vícios e as virtudes. As expressões repetitivas lembram João Fécamp, um autor muito próximo da literatura franciscana dos primórdios. A segunda parte da oração apresenta semelhanças de estilo com os ditos de Frei Egídio, companheiro de São Francisco (9), e com a Admoestação 27 do próprio Santo. Esta começa dizendo: "Onde há amor .. não há temor; onde há paciência e humildade, não há ira e perturbação, etc."

A semelhança com os Ditos do Beato Egídio é maior:

"Bem-aventurado aquele que ama sem desejar ser amado.

Bem-aventurado aquele que venera sem querer ser venerado.

Bem-aventurado aquele que serve sem querer ser servido.

Bem-aventurado aquele que trata bem os outros sem desejar ser bem tratado" (10)

Conclusão

Ao concluir queremos ressaltar duas constatações. A primeira é que a "Oração pela Paz" não é de São Francisco de Assis e, portanto, não convém que continuemos a designá-la como "Oração de São Francisco", pelo simples fato de que ela não é. A segunda é que essa oração está impregnada de espírito franciscano, tendo tudo a ver com nossa espiritualidade e carisma. Convém, pois, que a tenhamos em alto apreço, a rezemos e divulguemos, em razão de tudo o que ela é: uma oração simples e inspirada, com sabor ecumênico e de grande beleza, que nasce do coração e fala ao coração, em perfeita consonância com o Evangelho – o qual, por sua vez, "é a nossa regra". Aliás, é próprio do espírito franciscano alegrar-se reconhecendo e admirando o bem, onde quer que ele se encontre: nos irmãos, nos escritos de um pagão, ou nos costumes dos sarracenos. Aqui nos alegramos com uma oração bonita, nascida fora de nossa família, mas não fora do sopro do Espírito.

1. K. ESSER. Gli Scritti di S. Francesco d’Assisi: nuova edizione critica. Edizioni Messaggero, Padova, 1982, 72.
2. D.VORREUX apresenta uma nota crítica em: François d’Assise. Écrits ("Sources Chrétiennes", n° 285). Introdução e notas de Th. DESBONNETS, J. F. GODET, Th. MATURA e D. VORREUX. Paris: Les Éditions du Ccrf, 1981, 403-404.
3. L. BOFF. A Oração de São Francisco: uma mensagem de paz para o mundo atual. Rio de Janeiro: Sextante, 1999, 16. Seguiremos de perto este livro.
4. L. IRIARTE. Vocação Franciscana. Petrópolis: Vozes, 1976, 187-188, nota 31.
5. L. BOFF, Op. cit. 17.
6. D. VORREUX . Op. cit. 403.
7. L. BOFF. 19.
8. L. BOFF, 12-13.
9. D. VORREUX . Op. cit 403.
10. Ditos do Beato Egídio, 1, em: Fontes Franciscanas e Clarianas. Petrópolis: Vozes, 2004, 1635. Cr. L. Boff, op.cit. 20-21.
Texto publicado na “Revista Franciscana”, FFB, Volume 5, 2005

Fonte: www.cantodapaz.com.br

sábado, 18 de dezembro de 2010

DESEJO DE NATAL


MEU DESEJO DE NATAL

Desejo que neste Natal,
antes de você perceber Jesus nas luzinhas que piscam pela cidade,
você O encontre primeiramente em seu coração.
E, à frente de qualquer palavra que expresse seu desejo de um feliz Natal,
O encontre em suas ações.

Que você O encontre não só na alegria que sente ao sair das lojas com presentes
para as pessoas que você ama, mas também na feição triste da criança abandonada
nas ruas, na qual muitas vezes você esbarra apressadamente.

Que você encontre Jesus no momento em que pegar nas mãozinhas delicadas
de seu filho, lembrando-se das mãozinhas pedintes, quase sempre sujas de calçada,
que só sabem o que significa rudeza.

Que você O encontre no abraço de um amigo,
lembrando-se dos tantos que só têm a solidão como companheira.

Que você O encontre na feição do idoso da sua família,
lembrando-se daqueles que tanto deram de si a alguém,
e hoje são esquecidos até pela sociedade.

Que você O encontre na lembrança suave e sempre viva
daquela pessoa querida que já não está mais fisicamente ao seu lado,
lembrando-se daqueles que já nem se recordam mais quem foram,
enfraquecidos pelo vazio de suas vidas.

Que você encontre Jesus na bênção de sua mesa farta
e no aconchego de sua família, lembrando-se daqueles
que mal alimentam-se do pão e sequer um lar têm.

Que você O encontre não apenas no presente que troca,
mas principalmente na vida que Ele lhe deu como presente.

Que você lembre-se, então, de agradecer por ser uma pessoa
privilegiada em meio a um mundo tão contraditório!

Que você também encontre Jesus à meia- noite do dia 31
e sinta o mistério grandioso da vida, que renasce junto com cada ano.

Então festeje... festeje o ano que acabou não apenas como dias que se passaram,
e sim como mais um trecho percorrido na estrada da sua vida!

Festeje a alegria que lhe extasiou e a dor que lhe fez crescer!
Festeje pelo bem que foi capaz de fazer
e pelo mal que foi capaz de superar!

Festeje o prazer de cada conquista

e o aprendizado de cada derrota!
Festeje por estar aqui!
Festeje a esperança no ano que se inicia, no amanhã!
Festeje a vida!

Abra os braços do coração para receber
os sonhos e expectativas do ano novo.

Rodopie...jogue fora o medo, sinta a vida!...

Sonhe, busque, espere... ame e reame!

Deixe sua alma voar alto...pegar carona com os fogos coloridos.
Mentalize seus desejos mais íntimos e acredite:
eles também chegarão ao céu.
Irão se misturar às estrelas, irão penetrar no Universo
e voltarão cheios de energia para tornarem-se reais.
Basta você querer de verdade, ter fé e nunca,

NUNCA desistir deles!
E que seu ano seja, então, plenificado de bênçãos e realizações.

Fonte: www.dejovu.com



MEU DESEJO DE NATAL

É natal.

E eu queria ser quem não sou,

Ter o que não tenho,

Conhecer quem não conheço,

Amar quem não amei,

Sonhar como não sonhei,

Presentear quem não presenteei.

Eu queria ser o que não sou,

Não é ser rico, mas sim, respeitado,

Queria ter o que não tenho,

Não é ter dinheiro, mas sim, amigos,

Conhecer quem não conheço,

Não é conhecer pessoas ricas,

Mas, sim, pessoas ricas e honestas,

Amar quem não amei,

Não é amar os orgulhosos,

Mas, sim, quem me ama,

Sonhar como não sonhei,

Não é sonhar com a riqueza,

Mas, sim, com as coisas boas,

Presentear quem não presenteei,

Não é dar presentes caros,

Mas, sim, dar alegria a quem não tem.

Igno Florêncio de Morais

Fonte: www.biblio.com.br

Nota pessoal:

Meu desejo de Natal é que a paz reine no mundo não somente neste dia, mas em todos os outros também. Que a violência diminua, que as pessoas sejam mais solidárias e pensem no próximo antes de em si próprio.
Que DEUS abençoe a todos com a sensibilidade de sentir o amor em sua plenitude.

FELIZ NATAL!!!!!