Ocorreu um erro neste gadget

Ola´! Que bom que passou por aqui, seja bem vindo! ! Espero que goste e volte sempre!!!!

"O Segredo da vitória, em todos os setores da vida, permanece na arte de aprender,imaginar,esperar e fazer mais um pouco."
( Chico Xavier - ditado por André Luiz )

domingo, 7 de novembro de 2010

MAU USO DA INTERNET SABOTA ESTUDO


Diante do computador conectado à Internet, qualquer criança pode assinar uma tese acadêmica.

Para inquietação de professores, instituições e pais, endereços eletrônicos oferecem trabalhos escolares e universitários prontos sobre qualquer tema. Escolas e universidades estão despertando para o problema e começam a adotar medidas para coagir o plágio. Os sites da Internet que se aproveitam da indolência de estudantes tanto vendem trabalhos e teses feitos sob encomenda quanto os colocam à disposição gratuitamente. Nos gratuitos, basta escolher a página e optar pelo trabalho mais parecido com o tema proposto pelo professor.

- Aí é só colocar no editor de texto, mudar a fonte e imprimir com meu nome - diz um estudante de 13 anos, aluno de 8ª série em escola da Capital (Porto Alegre).

Nas dezenas de sites que se apresentam como fontes gratuitas de consulta, esse processo não leva mais de cinco minutos. É o caso do que leva o nome sugestivo de www.zemoleza.com.br e contabiliza mais de 450 mil acessos. Os professores estão aprimorando os métodos de avaliação para voltar a formar bons estudantes em vez de hábeis copiadores. Grande parte dos mestres viu-se obrigada a se precaver das artimanhas dos trabalhos prontos restringindo a abrangência dos temas das pesquisas.

Além de tornar mais específico o assunto, passaram a exigir a citação das fontes de pesquisa, com uma crítica separada do aluno sobre o tema. Conhecer esses sites também pode ser uma estratégia importante no combate à fraude. Outros endereços para esse fim são www.trabalhosprontos.com.br e o www.minadeideias.com.br.

A solução é estimular a valorização da ética desde as séries iniciais, impedindo que a prática avance até a universidade.

Fonte: Rede Pitágoras

Nenhum comentário:

Postar um comentário