Ocorreu um erro neste gadget

Ola´! Que bom que passou por aqui, seja bem vindo! ! Espero que goste e volte sempre!!!!

"O Segredo da vitória, em todos os setores da vida, permanece na arte de aprender,imaginar,esperar e fazer mais um pouco."
( Chico Xavier - ditado por André Luiz )

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

10 de setembro- - Dia Nacional da Seresta








Seresta é a música de conjunto instrumental, formado com violão, cavaquinho, flauta, clarineta, violino, acordeon… Cantada, melodiosa, romântica e simples, que espalha paz e encantamento nos corações amigos e apaixonados e consegue preservar e manter o calor do amor, do sonho, da fraternidade e… de tradições importantes.

Dia 10 de Setembro celebra-se o Dia Nacional da Seresta.

Quando as pessoas se reúnem, por prazer, de maneira simpática e inesperada, para tocar e cantar melodias de amor e fraternidade em lugares cobertos ou fechados chama-se seresta. Quando se reúnem à luz da lua e das estrelas, no sereno, chama-se serenata – termo que vem do latim serus = anoitecer e nata = nascida.

As serestas e serenatas se incorporam muito bem ao jeito do brasileiro e aos costumes do lugar onde se realizam e têm a especial qualidade de atrair, unir e re-unir pessoas que sentem alegria e prazer pela “poesia-cantada” em que são exaltadas a amizade sincera, com mensagens fraternas, e as declarações de amor.

Carlos Poyares, flautista brasileiro, lançou o disco “Brasil Seresta” no qual apresenta as origens das serestas e serenatas brasileiras como nossa herança dos costumes da Península Ibérica (Portugal e Espanha) de séculos atrás, quando grupos de músicos ao saírem dos jantares e das festas, de madrugada, tocavam e cantavam em frente á casa das pessoas muito amigas e da janela das suas “amadas”.

No Brasil, desde os tempos do império, antes mesmo da iluminação pública com lampiões de gás, as serenatas são um costume amoroso e salutar de homenagear alguém através de versos cantados à luz da lua. Já as serestas brasileiras nasceram no inicio do século XX e é a música que lembra as trovas dos cantores ambulantes – os trovadores da Idade Média – executada normalmente à noite.

Até hoje, pleno século XXI, as serenatas e serestas brasileiras parecem não morrer jamais, graças ao surgimento do grande número de jovens músicos de talento que acompanham encantados os mais experientes. Continuam com muito entusiasmo em inúmeras cidades médias e pequenas, do interior do Nordeste, de Minas Gerais, de São Paulo, do Rio de Janeiro… Sempre a partir das sextas feitas a noite, durante todos os finais de semana, unindo e re-unindo nas praças e nos locais de confraternização, grande número de moradores e turistas, para cantar esse tipo de música tão atraente e comovente que não se consegue ouvir e cantar sem emoção.

A cidade brasileira mais divulgada pela mídia, e por isso a mais conhecida como “A capital mundial das serestas e serenatas” é Conservatória. Cidade famosa, simpática e hospitaleira, situada a 120 quilômetros da cidade do Rio de Janeiro, na serra fluminense, que com seus moradores muito alegres atrai grande número de turistas, brasileiros e estrangeiros todos os fins de semana, a partir das sextas feitas à noite, para saborear o prazer de participar da seresta e da serenata.

Desde 1900, Conservatória vive do turismo cultural, depois da decadência das fazendas de café após a abolição da escravatura. Hoje, as residências em Conservatória são encontradas pelos carteiros, não pelo número e sim por plaquinhas com nomes de canções seresteiras.

De segunda a quinta feira a população de Conservatória, hospitaleira e tranqüila parece estar “cochilando”, esperando ansiosa a chegada da multidão de turistas, que toma conta da cidade nos finais de semana e que saem de lá no domingo, extasiados com tanta arte, dedicação, poesia e amor fraterno, que parece não ter limites.

Há milhares de serestas e serenatas sendo realizadas nas nossas cidades brasileiras todos os finais de semana, unindo e re-unindo as pessoas, promovendo sua saúde mental e física e cultivando a amizade e a fraternidade entre elas. Infelizmente a mídia não sente interesse em mostrar ao público e divulgá-las.

Sabe-se há milênios, pela sabedoria do povo que registra na mente o comportamento das pessoas que “quem canta seus males espanta” e hoje a medicina e a psicologia comprovam o poder terapêutico e equilibrador do hábito de cantar.

Se você souber de algum lugar onde há seresta, participe e sinta-se revigorado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário