Ocorreu um erro neste gadget

Ola´! Que bom que passou por aqui, seja bem vindo! ! Espero que goste e volte sempre!!!!

"O Segredo da vitória, em todos os setores da vida, permanece na arte de aprender,imaginar,esperar e fazer mais um pouco."
( Chico Xavier - ditado por André Luiz )

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

DIA DO PEDREIRO


OFÍCIO DO PEDREIRO

Na antiguidade, no mundo árabe, chamava-se alvanel aquele que levantava alvenarias de pedras, tijolos ou outros materiais.

A denominação pedreiro vem do latim petrarium, relativo às pedras. Trata-se do oficial que trabalha elevando paredes em pedras, tijolos ou outros materiais como o concreto na modernidade. O termo pedreiro-de-mão-cheia refere-se ao oficial que executava paredes de taipa-de-mão, ou de sebe (a casa de taipa), enchendo com as mãos nuas os trançados de pau a pique com o barro.

O pedreiro é o oficial que, além de fazer a elevação das paredes, aplica as argamassas de revestimentos (rebocos) nas paredes.Ao aportarem no Brasil, junto com os primeiros colonizadores, os pedreiros trouxeram consigo um rol de técnicas construtivas fruto de um conhecimento acumulado durante séculos de e transmitidos de forma oral pelos mestres aos seus aprendizes (períodos Românico e Medieval). Suas técnicas acomodaram-se às realidades materiais, sociais e econômicas de cada região do imenso território.

A função básica dos pedreiros era realizar obras de alvenaria, fossem de tijolos ou de pedra. Entretanto, para realização dessas tarefas eles necessitavam ler uma planta, marcar a obra no terreno (geometria aplicada) e ter conhecimentos práticos de resistência dos materiais. Isto conferia ao pedreiro um privilégio sobre os demais oficiais, pois permitia uma visão antecipada do edifício.

Da mesma forma que os carpinteiros e marceneiros, os pedreiros estavam organizados em uma “confraria” (Confraria e Irmandade de São José), pelo menos desde a segunda metade do século XVII. Esta instituição seguia o modelo das organizações de ofícios medievais européias, embora adaptada à realidade colonial cheia de restrições, já que possuía uma vertente religiosa enquanto “irmandade” para subsistir.

Em Recife, havia uma igreja própria onde os pedreiros se reuniam e deliberavam sobre questões do ofício e problemas relacionados com a vida privada dos associados, como enterros, empréstimos ocasionais, etc. Para tanto, possuíam uma espécie de estatuto (ou “regimento”) escrito e democraticamente “confirmado” por voto secreto .

Os pedreiros, ao se transformarem em Mestres de Obras, tornavam mais complexas suas funções e se assemelhavam aos arquitetos e engenheiros. Eram capazes de desenvolverem projetos (chamados de “riscos”), administrarem obras e realizarem fiscalizações, medições e diagnósticos construtivos no cargo de “Juízes de Ofício”.Os pedreiros e demais oficiais da construção, considerados geralmente como pertencentes a um patamar baixo na hierarquia social colonial, eram denominados “mecânicos”, que, no seu sentido mais antigo, significava “artesão” ou aquele que trabalhava com as mãos. Entretanto, um dos problemas que os historiadores enfrentaram ao estudar a vida destes trabalhadores foi dar explicações sobre o nível de maestria e de status a que muitos deles chegaram .

A história dos ofícios da construção em Pernambuco conta com três personagens cujas atribuições bem ilustram a assertiva acima :

Cristóvão Álvares

especializado em obras civis e militares, desempenhou um papel muito importante como Mestre de Obras e como “Arquiteto”. Atuou como pedreiro no Forte de São Francisco (ou Forte da Laje), concluído em 1612. Edificado sobre os arrecifes em frente ao porto, foi, ao seu tempo, uma construção de grande dificuldade técnica. Também é de sua autoria o belo projeto de uma fortificação não construída por conta da invasão holandesa: o “Forte Real que manda fazer Mathias de Albuquerque” (1629). De forma pentagonal irregular, o projeto se destaca pela beleza arquitetônica, pela clareza do desenho e pela técnica de implantação, pois, seus baluartes se acomodavam numa estreita faixa de terra (istmo) que ligava Recife a Olinda.

Manuel Ferreira Jácome (viveu entre 1677e 1737)

foi o autor do risco de um dos mais belos templos recifenses do século XVIII: a Igreja de São Pedro dos Clérigos, considerada como tendo uma planta de cunho erudito. Atuou como Juiz de Ofício do Senado da Villa de Santo Antônio do Recife. Essa atividade, muitas vezes exercida em conjunto com engenheiros militares, possuía uma importância social e alguma importância econômica, já que a remuneração tinha por base 1% da avaliação.

Fernandes de Matos

Mestre pedreiro de ofício em 1671 era, ao morrer, trinta anos depois, em 1701, um dos homens mais ricos de Pernambuco, o que equivale a dizer, um dos mais ricos do Brasil. Para o pleno exercício de suas atividades Matos tinha a seu serviço, ao falecer, 98 negros ladinos. Além disso, contratara mestres de vários ofícios, a alguns dos quais se ligou por compadrio. O próprio Manuel Ferreira Jácome esteve sob suas ordens. Seu negócio era organizado de tal forma que, sobre sua direção e algumas vezes com o seu capital, construíram-se, entre outros: a Igreja do Paraíso (1686), Igreja e Colégio dos Jesuítas em Recife, hoje Igreja do Divino Espírito Santo (1686 e 1690); a Fortaleza da Madre de Deus, (o chamado Forte de Matos) e o Quartel dos Soldados; o Molhe do Porto (1696 e 1699). Pode-se concluir que Matos dominou a indústria de construção no Recife da segunda metade do século XVII.O pedreiro é um dos operários mais antigos da história do mundo. A profissão surgiu quando o ser humano saiu das cavernas e passou a construir sua própria casa. Esse operário rudimentar evoluiu, se especializou e se profissionalizou fazendo do uso de pedras e tijolos uma arte para construir as cidades.

O próprio Jesus era conhecido como um carpinteiro ou operário da construção civil:"Não é ele o carpinteiro [...]?" (Mc 6,3). O livro dos Atos informa que o apóstolo Paulo sabia fabricar tendas (casas) e que trabalhou nessa atividade em Corinto, com o casal Áquila e Priscila: "[...] tinham a mesma profissão - eram fabricantes de tendas [...]" (At 18,3).

Em 1549, quando o governador-geral Tomé de Sousa desembarcou na Bahia, trouxe na sua comitiva um grupo de pedreiros portugueses, que vieram construir uma fortaleza de pedra e cal, por ordem do rei de Portugal.

No Rio de Janeiro, um documento de 1573 atesta que, no Brasil, o mais antigo pedreiro foi João Ribeiro.

O pedreiro é um profissional contratado ou avulso. Ele atua nas áreas ligadas à construção civil de obras públicas ou privadas, executando alvenarias exteriores e interiores em casas e edifícios; edificando a estrutura de edifícios; revestindo maciços de alvenaria, de pedra, tijolo ou outros materiais, utilizando diversas argamassas.

O pedreiro profissional conhece a técnica da preparação de argamassas e a utilização dos instrumentos e máquinas apropriados, como: colher de pedreiro, pá, régua, fio de prumo, esquadro, betoneira etc.

Em decorrência do desenvolvimento de novos produtos e tecnologias, o pedreiro precisa se atualizar para usar os materiais de modo adequado, precisa saber ler e interpretar desenhos e outras especificações técnicas; verificar a qualidade do trabalho executado; analisar o plano de execuções de acordo com as dimensões pedidas; enfim, controlar a qualidade da obra.

Embora o pedreiro não ocupe, hoje, uma posição de destaque social, em virtude da sua pouca instrução, ganha em importância pela sua contribuição braçal na construção da sociedade. Em razão disso, vários países mantêm memoriais em homenagem a esses profissionais.

Em 1961, o presidente Juscelino Kubitsckek de Oliveira determinou que fosse erguido um monumento aos pedreiros, visto que foram eles que construíram a nova capital brasileira, em 41 meses.

Atualmente, o pedreiro é vinculado ao Sindicato dos Operários da Mão-de-Obra da Construção Civil, cujo objetivo é melhorar as condições de trabalho da categoria, no que se refere à sua segurança física e aos seus direitos trabalhistas, estabelecidos na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT).

Fonte: www.paulinas.org.br

Um comentário:

  1. Que ótimo documentário sobre a atividade dos pedreiros uma arte tão antiga e tao importante,, mesmo que tratada com desprezo por muitos que não param para analizar o valor do oficio de pedreiro que constrói cidades, metrópoles contribuindo para o desenvolvimento das nações.

    ResponderExcluir