Ocorreu um erro neste gadget

Ola´! Que bom que passou por aqui, seja bem vindo! ! Espero que goste e volte sempre!!!!

"O Segredo da vitória, em todos os setores da vida, permanece na arte de aprender,imaginar,esperar e fazer mais um pouco."
( Chico Xavier - ditado por André Luiz )

sexta-feira, 19 de março de 2010

Dia de São JoséDia do Carpinteiro e ou Dia do Artesão 19 de março


Neste dia são homenageados o carpinteiro, o marceneiro e os artesãos em geral. O carpinteiro é o profissional que atua geralmente na construção de habitações e estruturas de madeira. O marceneiro trabalha com arte, dando forma às madeiras mais nobres.

Durante muito tempo, o carpinteiro foi um dos profissionais mais requisitados, pois do seu trabalho dependiam vários ofícios. Os móveis da casa, os carros de bois ou puxados a cavalos, as ferramentas agrícolas de madeira etc. Esse ofício sobreviveu ao progresso, mas o carpinteiro teve de se adaptar aos novos tempos, recorrendo a equipamentos automáticos e alterando as suas produções. As antigas ferramentas tornaram-se, em grande parte, obsoletas, ainda que muitas delas mantenham as feições dos séculos passados. De modo geral, as antigas oficinas evoluíram para pequenas ou médias fábricas, e o artesão se transformou em operário.

O mais famoso carpinteiro foi Jesus que, na sua imensa humildade, aprendeu a arte da carpintaria com são José, homem simples e trabalhador, escolhido por Deus, em seu grandioso plano de redenção para a humanidade, para ser o pai terreno e tutor do Menino Jesus, em sua tão sublime missão. Maria era noiva de José, quando o anjo Gabriel lhe anunciou a chegada de Jesus. José, assustado, pensou em deixá-la secretamente, sem contar nada a ninguém.

Depois de sonhar com o anjo, que lhe revelou ser a criança o filho de Deus, José atendeu ao conselho e a acolheu, protegendo-a, bem como seu filho. Essa decisão marcou o fim do Antigo Testamento. José sempre esteve ao lado de Maria e de Jesus nas maiores provações; a sua proteção foi primordial para que Jesus crescesse, atingisse a idade adulta e cumprisse sua Paixão.

Pouco se sabe sobre a morte de José, mas esse valoroso homem mereceu da Bíblia um valioso título: o de homem justo. São José é, também, o padroeiro dos carpinteiros e dos artesãos.

Os artesãos, de fato, são pessoas premiadas por Deus com um dom especial. Eles são, antes de tudo, artistas operários, que participam de todo o processo do trabalho, até da comercialização, cujo resultado será para manter a si e a sua família.

O artesanato é uma atividade universal, que se diferencia no modo de fazer, no material empregado e nas formas ou padrões empregados em cada época e região. Essa rotina do manejo artesanal mantém a continuidade histórica dos processos tradicionais e das técnicas milenares, incorporados e padronizados pelos artesãos, que em geral os reinventam em cada nova peça ou forma, de acordo com suas inspirações.

A modernidade quer que o artesão seja visto como um precursor do microempresário, que trabalha com a família para o seu sustento. Mas ele não pode ser confundido com um simples vendedor de rua, cujo tabuleiro está repleto de quinquilharias, pois seu valor social é outro.

Hoje, o artesanato tem o conceito mundial de arte popular e é considerado o patrimônio cultural de uma nação. Assim sendo, é essa arte simplista que registra a trajetória de uma época, de um lugar, de um povo. Por meio dela é que se reconstrói a história das civilizações.

Fonte http://www.paulinas.org.br



"Primeiro aprenda a ser um artesão.Isso não impedirá você de ser um gênio."
Eugène Delacroix


Viva a arte!

Mais de oito milhões e quinhentos mil brasileiros vivem atualmente do artesanato, segundo o SEBRAE.
Nos últimos anos, o artesanato vem sendo agregado à moda.
Tecelagem, cerâmica, bordado, renda, pintura, crochê, tricô, entre tantas outras técnicas são misturadas e reinventadas pelos artesãos.

Esta comemoração é importante para mostrar que o artesanato deixou de ser apenas terapia, para se tornar uma profissão que gera renda e inclusão social.

Comece agora a sua arte!!!


Biscuit, madeira, palha, gesso, sabonete, argila, flores, caixas e cortinas… Cadeiras, quadros e colas… Bolsas, cintos e molas… Gliters, lantejoulas e sacolas… São inúmeros itens, diversas peças, que envolvem tempo e criatividade.
O artesão é um eterno artista, um arquiteto, um operário, um engenheiro… Alguém que transforma, que enfeita… Que recolhe, que recicla.

Não é por coincidência que neste mesmo dia se comemora o Dia do Carpinteiro – Dia de São José, o mais famoso “carpinteiro”, que soube passar com afinco e humildade a arte e o ofício ao filho: o Menino Jesus. Sendo assim, São José é o padroeiro dos carpinteiros e dos artesãos.

Essa diversidade cultural, essa criatividade que impulsiona tanto o carpinteiro, o marceneiro que trabalham apenas com a madeira, quanto o artesão, que busca nos pedaços de madeiras, ferros, plásticos, objetos em geral, uma forma de expressar arte.

Esse dia surge como uma forma de homenagear àqueles que vêm representando, ao longo do tempo, a beleza e a arte do povo brasileiro.
A arte como sustento

Por trás da beleza das peças e objetos confeccionados, está a busca pela sobrevivência, muitos artesãos, principalmente as mulheres, adquirem o sustento da casa por meio de peças de crochês, de panos de pratos, toalhas, bordados, costuras, enfim, utilidades ou enfeites que passam a ser produtos de consumo.

Em Pindamonhangaba existe um número grande de pessoas que trabalham com peças artesanais, nas praças, nas feiras, nas festas, nas ruas, nas casas, de porta em porta levam seu trabalho e trazem o sustento.
“Trabalho com artesanato há onze anos. Comecei como forma de sustento, já que estava desempregado. Hoje, mesmo desenvolvendo outras atividades continuo aqui, porque gosto do que faço, embora, acho que as pessoas não valorizam muito o trabalho artesanal: é uma questão de cultura”, explica Maurício Borges.

Quem costuma passar pela praça Monsenhor Marcondes e ver todos aqueles artesãos, muitas vezes nem percebem os rostos cansados ou sorridentes, não percebem a idade ou mesmo os objetos.
“Gosto muito do que faço e não consigo me ver em outro lugar. Aprendi fazer pulseiras na escola com alguns amigos e fui me aperfeiçoando”, salienta, Victor Almeida, 14 anos, o mais novo artesão da praça Monsenhor.

A mãe, dona Rose, se diz orgulhosa do filho: “Não tem como não se orgulhar. Eu e minhas amigas ficamos admiradas com a criatividade e disposição que o Victor tem. O dinheiro que faz com as vendas, ele compra mais material e vai circulando o dinheiro, é impressionante”, admira Rose, que garante “acompanha de perto a rotina do filho”.Porto Seguro

No “Bazar Solidário”, órgão administrado pelo Fundo Social de Solidariedade, cerca de 300 artesãos expõem suas peças: são camisetas, bolsas, panos de prato, bandejas, embalagens para presente, peças de cerâmicas, decoupagem, agendas de papel reciclado, entre outras.

Quatro projetos do Fundo Social (Projeto Vem Ser, Cerâmica, Lãs Linhas e Cia. e Brinquedo Levado a Sério), expõem peças no bazar, além de outros artesãos, que não fazem parte destes projetos, mas deixam suas peças expostas no local.Para a presidente do Fundo Social de Solidariedade, Maria Angélica Ribeiro, a finalidade do bazar é dar aos artesãos do município além de um espaço, uma melhor visibilidade.“O bazar permite aos artesãos exporem suas peças em um local centralizado e acessível. Muitas mulheres, que participam dos projetos não têm outra fonte de renda, e tanto o projeto quanto o bazar dão a elas a oportunidade de recomeçar, de se sociabilizar, de serem independentes profissionalmente”, destaca.

Nestes projetos, essas mulheres aprendem que o artesanato é mais que uma arte, é uma missão de vida.

“O projeto completa dois anos agora em maio e começou com quatro alunas, hoje temos mais de trinta, que trabalham com alegria, que vendem, que adquirem renda, que ajudam a família. Para mim, o Lãs e Linhas é um projeto que deu certo, como todos os outros: são presentes para estas mulheres”, afirma a coordenadora do Projeto Lãs Linhas e Cia, Márcia Camargo Monteiro.

O Carpinteiro

O carpinteiro é o profissional que atua geralmente na construção de habitações e estruturas de madeira. O marceneiro trabalha com arte, dando forma às madeiras mais nobres.

Durante muito tempo, o carpinteiro foi um dos profissionais mais requisitados, pois do seu trabalho dependiam vários ofícios: os móveis da casa, os carros de bois ou puxados a cavalos, as ferramentas agrícolas de madeira, entre outros.

Os artesãos

Os artesãos são pessoas com talentos especiais, eles são artistas operários, que participam de todo o processo do trabalho, até da comercialização, cujo resultado será para manter a si e a sua família.

O artesanato é uma atividade universal, que se diferencia no modo de fazer, no material empregado e nas formas ou padrões empregados em cada época e região.

Hoje, o artesanato tem o conceito mundial de arte popular e é considerado o patrimônio cultural de uma nação. Assim sendo, é essa arte simplista que registra a trajetória de uma época, de um lugar, de um povo. Por meio dela é que se reconstrói a história das civilizações.
Fonte: http://fotolog.terra.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário